quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

A maior feira mística e esotérica do planeta terá sua 7ª edição em São Paulo



A 7ª Mystic Fair Brasil já tem data marcada. Nos dias 10 e 11 de dezembro o São Paulo Expo (o antigo Centro de EXposições Imigrantes) recebe místicos, esotéricos e espiritualistas de diferentes partes do Brasil para compartilharem seus conhecimentos por meio de aulas, palestras, workshops, atendimentos gratuitos e diversas atividades que preencherão o fim de semana e que certamente transformarão o universo do visitante.

Diversos stands apresentarão as novidades do mundo esotérico. Meditações, vivências, rituais, cerimônias e cerca de 800 atividades simultâneas auxiliarão os participantes a aprofundar seus conhecimentos e mostrando as últimas novidades do setor. 


A Mystic Fair, maior evento místico e esotérico do planeta, tem a missão de dar visibilidade ao setor espiritual e alternativo da sociedade dando espaço aos pequenos e médios artesãos da área, às grandes empresas e profissionais do ramo para divulgarem o seu trabalho.

- Serviço:

- 7ª MYSTIC FAIR

- Local: São Paulo Exhibition Center (antigo Centro de Exposições Imigrantes)

- Data: 10 e 11 de dezembro de 2016

- Horário: das 10h às 22h no sábado e das 10h às 20h no domingo

- Transporte do Metrô Jabaquara até o local do evento é catraca livre

                      


Fonte: Sandra Rabelo

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Quem são os índigos?



A evolução da espécie humana, ao longo da história, passou por grandes transformações. A ciência atestou este processo através da avaliação dos esqueletos e fósseis encontrados. 

Vivemos um momento que antecede a um grande salto quântico da humanidade, como aconteceu no passado ao descobrirem o fogo, a roda, a agricultura, a escrita etc. Desta vez, porém, com maiores conseqüências e mutações.

Estamos em um período de transição, não apenas no planeta, mas principalmente, em nós, estamos nos reconhecendo, descobrindo o que precisamos fazer e, principalmente, as nossas habilidades. O planeta e sua humanidade terão que se adaptar aos novos tempos, a nova freqüência energética.

Neste processo evolutivo surgem os índigos, denominados Homo Noeticus. Os índigos representam o diferencial que equilibrará as consciências, até porque está provado que a força física de imposição, como na pré-história, se revelou insuficiente, as entidades espirituais, como as religiões, não conseguem conduzir a sociedade de forma harmoniosa e, as intelectualidades políticas e filosóficas como experimentamos nos últimos séculos, também não funcionaram.

Detentores desta nova freqüência, com a função maior de ajudar na mudança, os indígos desencadeiam as reações necessárias para as transformações individuais e coletivas do planeta. Eles estão em ressonância com mundos superiores, de onde vêem, vibrando como diapasões da Grande Orquestra de Deus.

Os índigos estão em toda a parte, pertencendo a diferentes classes sociais, raças e idades, mas poucas pessoas os reconhecem. Os seres índigos estão em nosso meio de convivência há muitos anos, porém, devido à falta de informação, a sociedade em geral passou a identificá-los há pouco tempo .

Enquanto os seres humanos aceitam conviver com as desigualdades sociais, a linhagem cósmica índigo não as aceitam.

Os índigos são os precursores de uma nova humanidade, sementes de esperança da vitória do bem sobre o mal, detentores do poder de mudar, de transformar essa sociedade caótica em uma sociedade mais justa, mais humana, mais saudável e mais ética.

Possuem sensibilidade para chegar em um ambiente e perceber se a energia dele é densa ou leve. Percebem plenamente quando não são amados, ou quando algo negativo cruza seu caminho

Agem através do questionamento e transformação de todas as instituições rígidas que os circundam. Portanto, em um momento específico, eles se manifestam para realizarem as transformações profundas. É fácil identificar um índigo pela sua sensibilidade, criatividade, espiritualidade e padrões gerais de comportamento.

O índigo é uma vibração de luz com um propósito, compreensão e expansão. Eles desafiarão o passado, a fim de criar o futuro. A energia índigo é uma forma forte e altamente definida , que dá ao ser uma vontade inabalável, força física, emocional, mental espiritual diferenciadas com o objetivo de transformar padrões e estruturas.

Os seres índigos têm grande poder e muita sabedoria. Eles são mais avançados em termos de comportamento, uma pessoa mais audaciosa. O objetivo do ser índigo é quebrar paradigmas ultrapassados, modificar regras e modelos, visando fortalecer a justiça social. A missão desses seres, que chegam à Terra em número cada vez maior, é facilitar o processo de evolução dos seres humanos e do planeta.

Não são seres superiores, são apenas seres humanos diferentes em sua natureza, em sua constituição genética e física, em sua energia essencial, em sua sensibilidade, em suas potencialidades e em sua espiritualidade. São seres com características muito especiais, extremamente inteligentes possuem QI racional acima da média e de QI emocional mediano.

São almas que se comprometeram com a fase final de renascimento do planeta, gerando questionamentos, revoltas e reviravoltas nas formas engessadas da humanidade de ver, classificar e lidar com as certezas, diferenças e limitações. São práticos, objetivos e idealistas.

Detém um forte desejo de difundir conhecimento, liberdade e amor sobre a Terra. Eles sentem isso como sua missão.

Possuem uma estrutura cerebral diferente no tocante ao uso da potencialidade dos hemisférios esquerdo, menos desenvolvido, e direito, mais desenvolvido. Isso quer dizer que elas vão além do plano intelectual.

Por serem orientados pela parte direita do cérebro, são geralmente atraídos por atividades como a música, a tecnologia, literatura, poesia, filosofia e espiritualidade .

Apesar de alguns terem aparência frágil e delicada, são muito fortes e, percebem os pensamentos e os sentimentos alheios com facilidade, dificilmente não verão a face por baixo das aparências.

A maioria possui a aura cor azul escuro, mas podem tê-las também em dourado, azul /violeta ou púrpura. É uma geração de Mestres e Guerreiros da Luz ou do Espírito, que vêem com a missão de descobrir novos conhecimentos e passá-los. Lutam pela unidade e igualdade, pelas virtudes, defesa do planeta e dos animais, novos sistemas de paz e amor, sendo exemplos vivos destes sentimentos.

Honram e respeitam profundamente a vida. A destruição de partes do reino animal ou vegetal na Terra pela ação do homem evoca neles profundos sentimentos de perda e aflição.

São bondosos, sensíveis e empáticos. Como eles têm facilidade para captar sentimentos e humores (negativos) das pessoas que os rodeiam, é importante que possam, regularmente, passar algum tempo a sós. Isto lhes permite distinguir entre seus próprios sentimentos e os das outras pessoas. Ficam freqüentemente desconcertados com a desonestidade, a manipulação e outras formas de comportamento egoísta.

Necessitam de momentos de solidão para recuperar a própria base e estar em contato com a mãe Terra. Tem a sensibilidade tão apurada, que percebem plenamente quando não são amados, ou quando algo negativo cruza seu caminho.

Muitos índigos são aquelas pessoas que dentro da empresa, por exemplo, apresentam idéias totalmente inovadoras. Muitas vezes são consideradas pessoas que incomodam, porque possuem posturas mais avançadas. Há muitos índigos frustrados justamente porque foram impedidos de terem suas idéias compreendidas e concretizadas.



Características marcantes :

- Sensíveis a eletricidade ( causam estática, interferência, disparo de alarmes, mudam freqüências, etc.. ). Por vezes os relógios não funcionam e as lâmpadas dos postes se apagam quando passam por baixo deles. Aparelhos eléctricos funcionam mal ou queimam os fusíveis, lâmpadas queimam ou piscam, etc.

- Mais hélices e genes em seu DNA.

- Glândula timo mais ativa e desenvolvida.

- Hemisfério direito do cérebro ativado e trazendo novas habilidades.

- Sistema neurológico diferente (mais ligações entre os neurônios )

- Alterações na química cerebral

- Sensação de corpo mais pesado.

- São sempre altamente inteligentes e cheios de perguntas e exigências.

- Têm muita energia, são muito ativos, têm muita força de vontade e um senso forte do seu próprio valor e importância.

- Sabem que são especiais e que estão aqui para fazer alguma coisa significativa.

- São curiosos, buscadores das verdades espirituais. Amantes do conhecimento.

- Sentem um chamado interno para ajudar, criar e servir. Amor incondicional.

- Têm sabedoria inata, percepção do todo, visão, síntese e rapidez de raciocínio.

- Carregam dons artísticos, são também inventores, escritores e cientistas.

- Lideram por natureza, novas teorias, novos sistemas em todos os setores.

- Questionam tudo, não se deixam influenciar, têm liberdade de pensamentos, inovam, incomodam aqueles que vivem dentro de uma rigidez severa. Quebram padrões, rompem fronteiras, por isso, às vezes, são odiados e ameaçados.

- Possuem poderes paranormais ativados ou em potencial: telepatia, profecias, mover objetos, intuição etc.

- Auto-estima saudável, sabem intuitivamente de sua origem e realeza, de seu valor e dignidade. Agem com humildade quando equilibrados.

- Sonhos proféticos e com mensagens. Ardentes desejos de melhorar o mundo.

- Curam com a palavra, pensamento e mãos ou só com a presença.

- Capazes de se moverem dentro das diferentes dimensões.

- Vivem num estado crístico de ser ( futuro da humanidade)

Nem todos possuem as mesmas características, assim como existem diferentes tipos de índigos, em diferentes níveis evolutivos. Também podem parecer totalmente diferentes por estarem em desarmonia, doentes, por sofrerem maus tratos e uma educação desajustada.

Nada, porém, é por acaso, tudo faz parte de um plano de Deus! Os índigos aceitaram este desafio. A Corte Divina os acompanha e torce por eles!



Fonte: Vininha F. Carvalho

Pet friendly: hotéis cinco-estrelas na Europa que acomodam o melhor amigo


Por que sentir saudade do animal de estimação se ele pode vir junto na viagem? Hotéis na Itália, França e Portugal estendem o atendimento exclusivo dado aos hóspedes também a seus pets e incluem mimos especiais na gama de serviços oferecidos.

O Hotel Le Burgundy Paris dispõe de cestos, tigelas e alimentação específica para atender às necessidades do animalzinho. Passeios e sessões de banho e tosa podem ficar a encargo do estabelecimento, para o dono aproveitar com seu pet a melhor parte da viagem sem ter de se preocupar com tais procedimentos. O suporte faz parte da acolhida personalizada e dos serviços sob medida do Burgundy Paris, ícone da hotelaria francesa onde nada é deixado ao acaso. Os menores detalhes são importantes no hotel de decoração contemporânea e clássica, ao estilo chic parisiense no seu aspecto mais atemporal.

Em Florença, maior cidade da Toscana, na Itália, o Villa Cora tem um programa especial para cachorros chamado Very Important Dog. Nele, os cães têm direito a uma espaçosa cama, uma seleção de brinquedos e alguém que os leve passear. O tratamento único dado aos pets segue a linha do clássico hotel, localizado no interior de um parque secular, nas colinas próximas ao centro histórico da cidade. A mansão principal é uma residência aristocrática construída no final do século XIX. E os mimos para os donos incluem spa, uma grande piscina externa aquecida e, além dos serviços de concierge, aulas de culinária e degustação de vinho. 

O Farol Hotel, no topo de uma colina em Cascais, em Portugal, também tem um pacote especial para hóspedes com animais. Embora eles não sejam permitidos nas áreas da piscina e dos restaurantes, a equipe do estabelecimento não mede esforços para dar a devida atenção aos bichinhos. Isso inclui cama, coleira, brinquedos, água fresca, biscoitos saborosos e atendimento adaptado a necessidades particulares de alimentação. Além disso, os visitantes podem reservar serviço de baby sitter para o amigo durante o ano todo.

A estadia vale a pena não apenas pelo atencioso tratamento dado ao pet, mas também pela deslumbrante estrutura. O hotel funciona em uma mansão construída em 1880, embora o design contemporâneo de seu interior contraste com a arquitetura histórica da antiga residência do Conde de Cabral. Intimista, conta com 33 apartamentos, dos quais 10 possuem vista de frente para o Oceano Atlântico.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Pesquisa mostra diferenças nos hábitos de férias em 28 países

Braço local da maior agência de viagens online do mundo (expedia.com.br), divulgou um estudo global conduzido pela Northstar sobre hábitos de férias de diferentes povos. Ao todo, foram entrevistadas mais de 9 mil pessoas em 28 países na América do Norte e Sul, Europa e Ásia – sendo 85% funcionários, empresários ou profissionais liberais com atividade remunerada em tempo integral.
Ao todo, 35% dos respondentes disseram não desfrutar todos os dias de descanso que lhe são concedidos anualmente. No Brasil a média é menor, chegando a 19%; o país fica atrás da Bélgica (18%) e Finlândia, com 6%. Já os japoneses e indianos são os que mais concordam com a afirmação, registrando 64% e 63%, respectivamente.

Além disso, em troca de um dia a mais em suas férias, os brasileiros abririam mão do consumo de bebidas alcoólicas (45%), redes sociais (44%) e televisão (45%). Apenas 6% deixariam de tomar banho e 14% não teriam relações sexuais. O quadro abaixo mostra a lista completa de atividades:

- Dias de descanso:

O Brasil e os países europeus são os que melhor reconhecem suas populações em relação ao direito de férias. O estudo constatou que 69% dos espanhóis recebem entre 21 e 30 dias de férias anualmente, sendo que 89% desfrutam de 16 dias no período. No Brasil os números são um pouco maiores, subindo para 74% a média dos que recebem entre 21 e 30 dias de descanso todo ano – sendo 84% deste montante os que desfrutam de todo o período concedido. Nos Emirados Árabes, 86% dos entrevistados afirmam tirar mais de 16 dias de férias por ano.

Os hábitos de férias na América do Norte se assemelham muito aos da Ásia: além de terem direito a menos dias de descanso por ano, os percentuais dos que de fato desfrutam o período também são menores em relação à América Latina e Europa. O estudo revelou que 55% dos sul-coreanos têm entre 11 a 20 dias de descanso ao ano, mas a maioria só goza de até 10 dias. No Japão essa média é um pouco mais alta: 37% tiram mais de 16 dias ao ano. Nos Estados Unidos, no entanto, mesmo com 32% da população entrevistada tendo direito a tirar entre 11 e 20 dias de férias remuneradas, 36% só aproveitam 10 dias por ano.


- Privação de férias é um estado de espírito

Apesar de terem 30 dias de férias garantidas por lei, 39% dos brasileiros se sentem um pouco privados por, muitas vezes, não conseguirem desfrutar de todos os seus dias, contra 29% dos americanos (que não chegam a ter direito a um período tão grande). Já na Espanha a situação é bastante diferente: 32% dos espanhóis não se sentem nem um pouco privados de suas férias, pois afirmam desfrutar dos dias a que tem direito. Na Coreia do Sul, por conta de um período curto de descanso (menos de 20 dias), 16% se sentem privados de férias.

Sentimento de culpa e preocupação são alguns fatores que fazem os trabalhadores desistirem ou repensarem em suas férias. Veja os principais motivos apontados pelos brasileiros:

• 38% não sentem que tem o apoio de seus superiores para desfrutar dos dias de férias;

• 19% se sentem um pouco culpados em sair de férias, mas tiram os dias, pois consideram um direito do trabalhador;

• 61% já cancelaram as férias por conta de alto volume de trabalho;

• Quando trocam de emprego, 59% preferem ficar 1 ano ou mais no novo trabalho antes de sair de férias

• 41% preferem trocar uma parte dos dias de férias por remuneração extra

Já os líderes americanos são reconhecidos como grandes apoiadores de seus funcionários quando o assunto é férias: 75% dos entrevistados dizem que seus empregadores são "solidários" em relação ao tema, em contraste com os gestores na Finlândia (29%) e na Espanha (37%).


- Hábitos de férias:

O estudo mostra que 44% dos entrevistados preferem não usufruir todos os dias de férias de uma vez, compondo um período mais longo com vários menores. Canadenses, austríacos e dinamarqueses seguem a mesma linha, com 35%, 34% e 67%, respectivamente. Na contramão desse movimento estão os que preferem gozar de apenas um período longo: Brasileiros (59%), Italianos (39%) e Emiradenses (50%).

Quando o assunto é estar ou viajar acompanhado durante as férias, os países seguem todos a mesma tendência: 76% dos brasileiros preferem viajar com mais uma ou duas pessoas, seguidos por 77% dos austríacos e 85% dos espanhóis. A média global (dos que preferem viajar com alguém, até duas pessoas) é 78%. Os escolhidos para estarem junto, são, em sua maioria, os cônjuges – na Itália, 80% responderam isso e na Espanha, 77%. Brasileiros e americanos preferem levar seus filhos, com 46% e 49% das opiniões respectivamente.

Já a principal motivação para pegar a estrada ou o avião, para 70% dos brasileiros e 78% dos italianos é conhecer algo novo, seguido por se desconectar do trabalho (72% dos Alemães e 73% dos Espanhóis) e ter uma experiência diferenciada com comida (67% dos moradores de Singapura e 62% dos Indianos).

Além disso, os brasileiros não desgrudam de tecnologias móveis nem durante o período de descanso, sendo a busca de informações sobre o destino visitado o principal motivo, com 69% das respostas. Posts de imagens nas redes sociais e reserva de atividades aparecem na sequência, com 66% e 42%, respectivamente.

Confira abaixo os principais sentimentos dos trabalhadores na volta ao trabalho:


Dias de férias por país :

País
Dias oferecidos
Dias tirados
Dias não utilizados
Alemanha
30
28
2
Australia
20
15
5
Austria
25
25
0
Bélgica
24
23
1
Brasil
30
30
0
Canadá
15
14
1
Coréia do Sul
15
8
7
Dinamarca
25
25
0
Emirados Árabes
30
30
0
Espanha
30
30
0
Estados Unidos
15
12
3
Finlandia
30
30
0
França
30
30
0
Holanda
25
22
3
Hong Kong
14
14
0
India
21
15
6
Irlanda
21
21
0
Italia
30
25
5
Japão
20
10
10
Malasia
16
12
4
México
15
12
3
Noruega
25
25
0
Nova Zelândia
20
19
1
Reino Unido
25
25
0
Singapura
18
14
4
Suécia
25
25
0
Suiã
25
25
0
Tailândia
15
12
3



Fonte: Thaís Domingues