sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Verão romântico na República Tcheca

Kroměříž e Lednice, tesouros da UNESCO

No ar, perfume de violetas, árvores florescendo com todas as cores e ninguém mais precisa de agasalhos, botas e luvas. O verão chegou para a alegria dos apaixonados. Passeios por parques e jardins floridos, excursões às montanhas ou vistas a encantadores monumentos são alguns exemplos do que fazer na Tchéquia. E não apenas em casal, porque, ainda que não se viaje em casal, no verão, com certeza , Praga é de se apaixonar . Vem se apaixonar com a gente!

Na Cidade de Kroměříž ficam os famosos jardins que figuram na Lista da UNESCO. O Jardim das Flores (Květná zahrada de estilo italiano que ocupa 16 hectares de terreno) está cheio de figuras míticas da antiguidade. Apaixonados gostam da Colunata com fontes e também do eco que permite que as palavras doces sussurradas numa das suas extremidades possam ser nitidamente ouvidas na extremidade oposta. É a referência ao trágico destino de Eco, a ninfa da montanha mitológica que se apaixonou por um belo rapaz chamado Narciso. No entanto, este amava apenas a si mesmo e Eco, desesperada, sofreu tanto até que apenas sua voz permaneceu na mata, nos precipícios e nos Jardins Kroměříž que repete o que os outros dizem. 

                        
                                                Ladislav Renner

O amor floresce no complexo de Lednicko-valtický areál, considerado um exemplo de paisagem cultural, o mais extenso de Europa que também figura na Lista da UNESCO. Os dois palácios de Lednice e Valtice são rodeados por parques, jardins, lagos com nenúfares e prados com obras arquitetônicas originais. Aqui é possível fazer caminhadas ou andar de bicicleta ou fazer um passeio de barco para chegar à curiosa torre ou à ruína do castelo de João.

- Romantismo com sabor de adrenalina:

Se você e seu parceiro não se emocionam com um jardim florido, e se não sabem imaginar um fim de semana sem adrenalina, a República Tcheca tem o que você procura. Numa viagem ao sul da Boêmia podem experimentar emoções na cidade de Sušice no Offpark Sušice, que oferece o melhor na região de Šumava: saltos de paraquedas, parede de escalada e paintball, ou ainda saltar 14 metros de altura acima do rio Otava.

                               

O Parque de adrenalina em Dolni Morava apresenta especialidade atraente, o Duplo balanço: um balanço gigante para duas pessoas localizado a 13 metros de altura. Se ainda assim achar que não tem bastante emoção, a sugestão é o Power Fan, um salto de 13 metros de altura e com um potente ventilador para abranda a queda livre.

Nas montanhas Jeseníky fica o parque de corda, onde na aldeia de Česká Ves u Jeseníku pode-se desfrutar de paintball ou estado de ausência de gravidade e outros esportes de adrenalina. E caso já tenha vivido muitas emoções e perigos, relaxe com um passeio através da paisagem desse local protegido.

- Praga e seus jardins:

Em Praga, onde há tantas possibilidades, muitas vezes é difícil escolher para onde ir, o que fazer ou o que comer. Além de passear pelo majestoso Castelo de Praga, pelas ruas estreitas da pitoresca Malá Strana ou nos recantos de praças e pracinhas da cidade velha de Staré Mesto, em Praga, a melhor idéia é ir para um passeio pelos parques e jardins Praga e apreciar o perfume das flores, o ar fresco e vistas panorâmicas da capital.

                              

A visita a Praga ficará ainda mais agradável se alugar um barco ou pedalinho. Locais de aluguel ficam na beira rio, em Smetanovo nábřeží perto do Teatro Nacional ou na ilha de e Kampa.


Fonte: Mariuccia Ancona Lopez

Tres lições que eu aprendi como empreendedor


Se você sonha grande, em algum momento da sua vida você vai precisar empreender. Mesmo que você conquiste promoções dentro de uma companhia, a carreira em um posto executivo exigirá que muitas decisões estratégicas sejam tomadas.

Em toda minha carreira passei por inúmeros desafios e pensei que “chegar lá”, faria as dificuldades acabar. Mas, cada vez que eu “chegava lá”, queria ir além e isso gerava ainda mais objeções e então persisti, insisti em minhas ideias e hoje percebo que consegui implementar grande parte delas.

Não é fácil. É sofrido e ao mesmo tempo encantador. Foram muitos erros e acertos até chegar aos 25 anos como empresário. Por isso, listo os 3 grandes aprendizados que tive nesse tempo todo.

1. Prepare-se para os ajustes de percurso:

Normalmente o primeiro passo para se ter um negócio começa com uma ideia. Essa ideia pode ter diversas origens, entre elas é muito comum vir da percepção de alguma insatisfação ou da oportunidade de incremento diferencial relativo a algum serviço ou produto disponível no mercado. Assim nasce a natural indagação, como posso fazer diferente e melhor? Como posso solucionar este problema?

A questão aqui é que este primeiro passo pode ser utópico. O que quero dizer com isso? Que há uma enorme lacuna entre a teoria e a prática. Basicamente, boa parte das dificuldades de implementação você só vai descobrir quando o negócio estiver em andamento. E aí, mora o primeiro perigo.

O empreendedor deve se preparar para lidar com mudanças logo no início, que podem ser desde simples adaptações, até uma profunda revisão no modelo e na orientação estratégica que pode, inclusive, colocar a existência do negócio em risco. Por isso, é importante testar e ajustar alguns passos. Avalie como seu negócio está indo nos primeiros meses e o critique de forma realística, verifique se as expectativas iniciais se materializaram, gere conclusões sobre os desvios em relação ao seu pensamento inicial, inclusive se ele ainda faz sentido, seja pragmático.

2. Revise constantemente seus passos:
Isso pode soar como um clichê, mas funciona. Você só saberá qual caminho seguir se souber qual é o objetivo a perseguir. Mas é preciso entender como chegar lá, quais recursos críticos merecem atenção especial, como estabelecer metas realísticas e em quanto tempo é possível atingi-las, assim como prever e construir alternativas mitigatórias aos potenciais obstáculos identificados no percurso.

Se você já conseguiu iniciar a operação de seu negócio e ele está em andamento há pelo menos 1 ano, não relaxe. O fato de ter dado certo até aqui não é garantia de que ele vai perdurar. Hoje as coisas mudam rapidamente, e se você não estiver antenado com as tendências, seu negócio pode ruir do dia para a noite.

Neste caso, habilite ferramentas que permita ampliar a capacidade de interpretar o cenário e como o comportamento de determinada variável influencia e impacta o seu negócio. Interaja com empresários experientes ou que já passaram por essa situação, estreite relacionamento com consultores, estude casos de negócios similares, desenvolva pesquisas etc.

3. Você terá que lidar com pouco (ou a falta de) dinheiro:

Talvez a falta de recursos seja um dos principais empecilhos de um empreendedor. Não à toa vemos uma crescente de fundos de investimentos e investidores anjo apostando em ideias, bem como programas de televisão com especialistas que avaliam constantemente modelos de negócios.

É muito comum que no início do negócio o empreendedor tenha que investir recursos próprios em sua ideia. São várias as histórias de quem decidiu correr risco e vendeu carros e apostou tudo na ideia, ou conseguiu um empréstimo bancário para financiar seu projeto. Também é comum que o empreendedor misture o dinheiro da empresa com o dinheiro para fins pessoais.

Se você precisa de capital inicial ou de uma grana para alavancar seu negócio, cogite conversar com potenciais investidores interessados no seu business. Há muitos empresários dispostos a investir em ideias inovadoras e apostar em um longo prazo.

Empreender não é fácil. É se colocar a prova todos os dias. É entender que basicamente tudo dependerá do seu esforço e suas atitudes. Como empresário, são várias as lições que aprendi durante esse tempo. Após alguns erros e muitos acertos, concluo que o aprendizado foi enorme e a experiência muito gratificante.

Uma dica final: acredite nos seus sonhos e nunca descanse.

Fonte: Egton Pajaro - empresário

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Uruguai traz 29 vinícolas para participar da 5ª RWFF



Um país que o mundo está descobrindo. Esse é o Uruguai, que tem chamado muita atenção especialmente quando o assunto é vinho. Então fica a dica de reservar a data no dia 24 de agosto para, num dos lugares mais charmosos do Rio de Janeiro, o Clube Naval Piraquê (às margens da Lagoa Rodrigo de Freitas), conhecer a produção atual do país vizinho através de um belo painel de degustação.

Será o maior evento da Wines of Uruguay já realizado até então no Brasil, com um recorde de 29 vinícolas daquele país, que conta com cerca de 190 produtores. Ou seja, quase 15% de quem produz vinho vem ao Brasil participar do Rio Wine and Food Festival: Alto de la Ballena , Antigua Bodega, Ariano, Bracco Bosca, Carrau, Casa Grande, Castillo Viejo, De Lucca, El Capricho, Establecimiento Juanicó, Familia Dardanelli, Familia Traversa, Favretto y Dragone, Finca Narbona, Garzón, Gimenez Mendez, H. Stagnari, Marichal,Montes Toscanini, Pisano,Pizzorno, Rodríguez Bidegain, Varela Zarranz, Viña Edén, Viña Progreso, Viñedo de los Vientos, entre outras.

“O Tannat Tasting Tour 2017 oferece a possibilidade de encontrar mais de 125 rótulos uruguaios, e ter contato direito com diretores, enólogos e export managers das vinícolas. No total, os participantes terão a oportunidade de apreciar os destaques de 29 vinícolas uruguaias, recorde de participação na história dos Tannat Tours, o que indica que o interesse do Brasil pelos vinhos uruguaios é bem importante”, comenta José María Lez, Enólogo e Presidente do Instituto Nacional de Vitivinicultura (INAVI), órgão que representa oficialmente os vinhos do Uruguai.

No mesmo dia, em uma das salas do Clube Piraquê acontece a Master Class: O Melhor do Uruguai, que fará um verdadeiro passeio pelo país vizinho através de 14 rótulos tops, entendendo cada terroir, casta e processo de elaboração. 


Os vinhos do painel são:

1. Antigua Bodega - Prima Donna Tannat 2013
2. Bouza - Monte Vide Eu 2015
3. Casa Grande – Super Blend 2015
4. Castillo Viejo – Catamayor Pinot Noir 2015
5. Familia Traversa – Viña Salort Syrah Tannat 2015
6. Favretto Dragone - Espumoso Natural Felicia 2016
7. Finca Narbona – Luz de Luna Tannat 2013
8. Giménez Mendez - Alta Reserva Tannat 2015
9. Montes Toscanini – Gran Tannat 2013
10. Nabune – Corte Barrica 2016
11. Pizzorno - Don Prospero Maceración Carbónica 2017
12. Rodríguez Bidegain – Licor de Tannat Roble 2011
13. Varela Zarranz – Tannat Crianza 2015
14. Viña Edén – Tannat Reserva 2015

Durante toda a semana, os vinhos do Uruguai ainda se fazem presentes em outras atrações do Festival: no dia 25, às 11h00, tem o Wine Bus fazendo o “Tour Tannat sobre Rodas”, onde o único ônibus de 2 andares do Rio vai circular por pontos turísticos, com degustação de vinhos à bordo. O passeio de 1h40min vai pela orla, do final do Leblon ao Leme, com uma esticada ao Morro da Urca, local do Wine Out, um dos maiores eventos do RWFF. Rótulos uruguaios estarão também na abertura informal do CADEG (dia 19), no Wine Out e Vinho no Mercado (25, 26 e 27).

- Serviço:

Data: 24 de agosto, quinta-feira

Local: Clube Naval Piraquê (Av. Borges de Medeiros, 2364 – Lagoa)

- Evento: Tannat Tour
Horário: das 14h00 às 16h00 (Trade); das 16h00 às 20h00 (consumidor final)

- Evento: Master Classes
Tema: O Melhor do Uruguai, das 17h00 às 18h00 (R$ 80,00)


Data: 25 de agosto, sexta-feira, das 11h00 às 12h40
Local: Praça General Osório - Em frente ao Supermercado Zona Sul
Evento: Wine Bus/ Tema:Tour Tannat sobre Rodas

Fonte: Sandra Schkolnick

Franquias: cuidar para não multiplicar problemas ambientais e sociais


O título pode ser chamativo ou exagerado, porém, é um alerta para as questões do desenvolvimento sustentável atreladas a este tipo de modelo de negócio: o franchising. Principalmente porque nestes últimos dias muitos colegas, clientes e amigos estiveram comentando intensamente, postando fotos nas suas redes sociais e fazendo negócios na maior feira de franquias da América Latina.

Segundo a ABF (Associação Brasileira de Franquias), no ano de 2017, a feira, em 4 dias, reuniu 65 mil visitantes e 400 negócios do nosso País e do exterior. Isto só reforça o importante movimento de crescimento do setor, que, segundo a própria ABF, mostra que neste primeiro trimestre o segmento cresceu nominalmente 9,4%, em época de saída da recessão econômica.

Escutei muitas histórias de colegas e alunos que perderam o emprego e a solução foi investir o fundo de garantia de anos em um negócio, e nada melhor do que empreender numa marca já consolidada, com modelo financeiro montado e processos bem definidos. Ou ainda, tiveram uma ideia, começaram desenvolvendo um negócio, depois, para poderem crescer, resolveram ser franqueadores e multiplicar o seu negócio. Sim, franquia é um modelo de negócio que pode ser muito rentável e vitorioso, seja como franqueado ou franqueador, se gerido, obviamente, com muito cuidado e dedicação, sem esquecer que sempre, para qualquer negócio, haverá impactos sociais e ambientais negativos.

A ABF tem feito um movimento para promover a sustentabilidade nos negócios de franquias, inclusive, nesta última feira, para incentivar ainda mais, realizaram novamente o Prêmio ABF Estande Sustentável, que está na sua 7a edição, além de promoverem de outros prêmios de sustentabilidade ao longo do ano.

O Sebrae é uma outra fonte de conhecimento para micro e pequenas empresas que estejam pensando nos seus impactos sociais e ambientais, principalmente dentro do modelo de franquia que pode ser um ótimo disseminador destas boas práticas. No site do Centro Sebrae de Sustentabilidade existem diversos modelos de negócios mais sustentáveis, práticas e cartilhas para o dia a dia, como o pensamento no ciclo de vida do produto, gestão de resíduos, água, energia, entre outros.


Fico abismado quando imagino uma empresa de alimentos que está crescendo vertiginosamente no mercado com formato de franquia e que em seu famoso manual não exista nenhuma observação referente à gestão dos resíduos, sejam eles orgânicos, compostáveis ou recicláveis. 

Em pleno movimento para a implantação da Política Nacional de Resíduos Sólidos no País, uma empresa que tem o poder de multiplicar boas práticas, independente do local aonde ela vá, não tendo uma linha sobre o tema. Isso sem falar na questão energética e hídrica, quando vários estados estão com estes problemas, entre tantos outros temas das questões ambientais.

Outro ponto é a questão social em que algumas franquias, que se desenvolvem vertiginosamente, poderiam ir além das normas e regras da CLT. Puxa, será que estou sendo ingênuo ou sonhador demais? Poderia, sim, trabalhar com questões de desenvolvimento pessoal, empreendedorismo, liderança, relacionamento pessoal, entre outras temáticas. Afinal, se franqueado e franqueador investirem nisso, talvez, realmente o negócio cresça, seja perene e não somente um local com alto turnover para iniciantes laborais. Além disso, não podemos esquecer do poder multiplicador de influenciar fornecedores e distribuidores com as boas práticas do real desenvolvimento sustentável.

Não posso deixar de colocar aqueles negócios que já nascem com esta vertente, como as empresas que estão inserindo os orgânicos e a alimentação saudável, franquias que lavam carro quase sem água, negócios sociais que ajudam pessoas, entre outras.

Pensar somente em crescer e multiplicar produz um organismo desagradável que se espalha pelo planeta e aniquila outras espécies. Espero que este segmento de mercado, que é o franchising, entenda o poder que possui de replicar processos, negócios, marcas, produtos e serviços, e que usem este “poder especial” de multiplicação para melhorar e mitigar os impactos sociais e ambientais que todo negócio possui. Talvez, quem sabe, eliminá-los e ser um organismo de regeneração.


                                                            


Fonte: Marcus Nakagawa é professor da graduação e pós da ESPM; idealizador e diretor administrativo da Abraps (Associação Brasileira dos Profissionais de Sustentabilidade)