terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Ameaças aos macacos também põem humanos em risco



Existem cerca de 500 espécies de primatas no planeta Terra e 60% delas correm risco de extinção. No Brasil, país com o maior número de espécies conhecidas, 35 das 139 são consideradas ameaçadas, de acordo com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). No entanto, as principais ameaças aos macacos também são grandes riscos para a humanidade, e a maior parte é gerada justamente pelo homem.

Um exemplo é o novo ciclo de febre amarela que preocupa o Estado de São Paulo. A morte de aproximadamente 300 macacos até o início de novembro provocou o fechamento de parques como o Horto Florestal e o Parque Ecológico do Tietê, entre outros. De acordo com o especialista em primatas e membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza (RECN), Sérgio Lucena Mendes, o desenvolvimento da doença se torna mais propício pela redução das áreas silvestres e consequente avanço das cidades. Quando adicionamos outros fatores, como mudança climática, por exemplo, a equação se torna ainda mais complicada. 




“É preciso ver o surto com um olhar ecológico, além da preocupação com a saúde humana. Para controlar a febre amarela é preciso, necessariamente, preservar os habitats naturais e suas espécies nativas. Desflorestar e matar macacos não impede a circulação do vírus da doença e pode até piorar a situação”, analisa.

O especialista explica a relação entre a sobrevivência de humanos, dos primatas e o desmatamento. “Enquanto os macacos precisam da floresta para sobreviver e são afetados diretamente pelo desmatamento, nós humanos gostamos de acreditar que não sentimos os impactos tão rapidamente e invadimos o habitat deles para plantar ou para realizar obras. O que não percebemos é que os serviços ambientais prestados pelas florestas são essenciais para nós. Qualidade do ar, abastecimento e qualidade da água, manutenção da temperatura e do clima, entre outros, são vitais para a humanidade”, analisa Mendes.




Um estudo publicado em janeiro, na Revista Science Advances divulgou que além das espécies ameaçadas, outras também devem desaparecer nos próximos 25 anos, a não ser que a conservação se torne uma prioridade. A expansão da humanidade pode ser citada como a principal causa para a redução que está sendo observada. A perda de habitat, causada pelo desmatamento, é uma das razões mais impactantes, explica o biólogo Fabiano Melo, membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza (RECN). 

“A redução de habitat é a principal causa de ameaça aos primatas há décadas, com a caça sendo um impacto decisivo nesses ambientes fragmentados”. O desmatamento que acontece em todo o País é consequência de grandes obras de infraestrutura, da ampliação do agronegócio e do crescimento humano desordenado, entre outras questões”, alerta.

                                                               Central Press
- Planeta dos macacos em risco:

A redução da população de primatas no Brasil e no mundo é um alerta importante por diversos aspectos. Além do desmatamento, uma ameaça mais visível, há também outros fatores relevantes, como o grau de conservação das florestas e questões de saúde tanto dos animais como da comunidade.

A bióloga Cecília Kierulff explica que a diversidade de animais também é importante para a manutenção da qualidade de vida das pessoas. “Além da preocupação com o desmatamento, também temos que garantir a presença de diferentes animais nessas áreas. Não basta ter uma floresta vazia, é preciso ter toda uma rede de animais que exercem diferentes funções na natureza, desde insetos polinizadores até animais como onças e gaviões que estão no topo da cadeia”, conta ela, que também faz parte da RECN.


A febre amarela é outro exemplo de como a degradação das florestas pode prejudicar o bem-estar da comunidade e colocar em risco as populações de primatas. No início do ano, milhares de mortes, tanto de humanos e muito mais de primatas, aconteceram devido à contaminação provocada por mosquitos dos gêneros Sabethes e Haemagogus, que vivem especificamente em ambientes florestais. A proximidade cada vez maior das áreas urbanas às florestas facilita a disseminação da doença, que é letal para os primatas e dizimou espécies nas regiões Sudeste, Nordeste e Norte. 

“A saúde humana está intimamente relacionada à saúde do meio ambiente. O controle da febre amarela inclui, necessariamente, a preservação dos habitats naturais e suas espécies nativas”, alerta Sérgio Lucena Mendes, que também ressalta: “com a volta das temperaturas altas, a doença pode voltar a ter as mesmas consequências que vimos no início do ano. Alguns casos de morte de macacos em São Paulo já nos apontam nessa direção”. 


Com a falta de vacinação, uma tragédia muito maior pode ocorrer, uma vez que o mosquito transmissor da dengue, da chikungunya e da zika, conhecido como Aedes aegypti, também pode ser o vetor da febre amarela nas áreas urbanas, potencializando os riscos. Felizmente, isso não ocorre no Brasil desde 1942.


- Conservação da saúde e do meio ambiente:

Como a conservação dos primatas e a preservação do habitat onde vivem são fatores intimamente ligados, pesquisadores de diferentes áreas do Brasil atuam em projetos que atuam em ambas as frentes.

A bióloga Cecília Kierulff, por exemplo, comemora a ampliação da Reserva Biológica União, criada em 1998 na região de Rio das Ostras, no estado do Rio de Janeiro. O mico-leão-dourado (Leontopithecus rosalia) estava extinto no local, mas, em 1994 Cecília remanejou 42 micos-leões-dourados para a área por meio de um projeto apoiado pela Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza. 


Hoje há mais de 300 micos-leões na Reserva. Além do benefício para o meio ambiente, que ganhou mais uma área de proteção ambiental, que beneficia todas as espécies que ali existem, os micos puderam passar de “Criticamente em Perigo”, de acordo com a classificação da Lista Nacional de Espécies Ameaçadas de Extinção, a chamada Lista Vermelha, para “Em Perigo”. Apesar de continuar ameaçado, a situação de conservação do mico-leão-dourado melhorou.

Na região Sudeste, o muriqui-do-norte (Brachyteles hypoxanthus), uma das espécies de primatas mais ameaçadas do mundo, está sendo beneficiado por dois projetos apoiados pela Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza. Um no Espírito Santo, que prevê a elaboração de um plano de manejo e maior conhecimento da população de muriquis na região serrana do estado, além de ações de conscientização e engajamento da comunidade. Em Minas Gerais, a conservação do muriqui-do-norte ganhou apoio tecnológico inédito, com o desenvolvimento de um drone com câmera ultra HD e termal para monitoramento da espécie.

                                                                    Theo Anderson

O mesmo acontece com o muriqui-do-sul (Brachyteles arachnoides). Uma pequena população da espécie, que era considerado extinto no Paraná há décadas, foi encontrada em fragmentos florestais, em 2002, em uma região com baixa densidade populacional. Esse fato ressaltou a importância da conservação dessas áreas em que a espécie ainda sobrevive. 

Carlos Hugo Rocha, engenheiro agrônomo, professor da UEPG e membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza, conduz o projeto para caracterização socioeconômica da região, no Vale do Ribeira, no Paraná. O objetivo é apoiar estudos para a criação de uma área protegida associada à definição de políticas públicas para a conservação do muriqui-do-sul, que é considerado “em Perigo”, pelo ICMBio.




Fonte: Rede de Especialistas de Conservação da Natureza


segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Impacto do ecoturismo à fauna silvestre deve ser mais bem investigado


O ecoturismo costuma ser visto como uma forma sustentável de explorar o patrimônio natural de um país – preservando a integridade dos ecossistemas, gerando renda para as comunidades locais e, desse modo, contribuindo para a conservação da vida selvagem.

Mas na avaliação da ecóloga Helena de Godoy Bergallo, professora da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), esse tipo de atividade pode causar impactos consideráveis à fauna, que precisam ser mais bem compreendidos pela ciência e minimizados por meio de uma gestão mais eficaz.


O tema foi debatido durante o Workshop sobre Pesquisa Aplicada à Gestão da Fauna Silvestre – promovido em São Paulo, no dia 23 de novembro, pela coordenação do Programa FAPESP de Pesquisas em Caracterização, Conservação, Restauração e Uso Sustentável da Biodiversidade (BIOTA). Segundo os organizadores, o objetivo do evento foi estimular a aplicação de boa ciência para aprimorar a gestão da fauna silvestre – bem como envolver a academia e outros setores da sociedade nesse debate.

“Conhecemos bem os impactos diretos observáveis do ecoturismo, mas não sabemos qual é a dimensão do problema. Qual é o efeito que a mortalidade de alguns indivíduos pode ter sobre a população de uma espécie e sobre o ecossistema? A escala de aceitabilidade dos impactos costuma ser baseada em motivos estéticos e não científicos. Faltam estudos”, disse Bergallo.


Entre os problemas citados pela pesquisadora está o aumento na mortalidade de animais relacionado a atividades como pesca e caça ou à colisão com veículos e embarcações. Segundo Bergallo, não são raros os casos de peixes-boi vitimados por hélices de barcos, por exemplo.

Além disso, a pesquisadora menciona as alterações no habitat e na composição de plantas decorrentes da construção de pousadas, restaurantes e demais infraestrutura necessária para receber turistas. 

“O pisoteamento da vegetação nas trilhas causa a compactação do solo e a modificação das plantas. Pode haver perda de espécies nativas e entrada de invasoras, redução na floração e frutificação. Já a onda formada pelos barcos pode promover a intrusão de sal em comunidades que não toleram esse mineral”, contou.


Também é frequente ocorrer distorção do hábito alimentar dos animais, seja por causa da comida oferecida pelos turistas ou por iscas usadas pelos organizadores dos passeios para atrair espécies como o boto-rosa, por exemplo. Muitas vezes, alguns indivíduos são mantidos em cativeiro para que o visitante possa ter um contato mais próximo com a fauna.

Outras fontes de impacto podem passar despercebidas pelos humanos, disse a pesquisadora, como a luz artificial e os sons emitidos por barcos, aeronaves e veículos terrestres.

“As pessoas costumam achar lindo quando veem os cetáceos surfando ao lado de embarcações, mas na verdade eles estão estressados com todo aquele barulho. Há ainda o exemplo das ariranhas perturbadas por barcos durante o período de alimentação no Peru e o do anfíbio fossorial da espécie Spea hammondii, induzido a emergir de buracos onde se esconde pelo som dos veículos, provavelmente por ser semelhante ao de chuvas fortes”, disse.

Como consequências desses impactos, Bergallo mencionou a migração de espécies que não toleram a presença humana; a redução no tempo que o animal tem para se alimentar e a elevação no gasto energético (ambas relacionadas ao tempo perdido tentando fugir dos humanos); comportamento social aberrante (aumento na agressividade entre indivíduos de uma mesma espécie e disputa pela fonte de alimento introduzida pelo homem); maior vulnerabilidade de algumas espécies a competidores e predadores; abandono de filhotes e perturbação no padrão reprodutivo.

“Sabemos que populações pequenas, de reprodução lenta, e espécies raras são as mais afetadas. Mas ainda há poucos estudos ligando o impacto sobre determinados indivíduos aos efeitos sobre as populações. Também são necessários estudos que ajudem a avaliar a capacidade de suporte de diferentes ecossistemas para que seja possível estabelecer o número máximo de visitantes nesses locais”, disse Bergallo.


Para a cientista, o ecoturismo tem um potencial limitado de contribuir com a conservação da biodiversidade e apenas com boa gestão e melhor regulamentação será possível obter benefícios reais com a atividade.

“A legislação brasileira e o Plano Nacional de Turismo não trazem uma regulamentação específica para o ecoturismo. É preciso pensar na criação de normas éticas – a exemplo das existentes nas comunidades de observadores de aves”, defendeu Bergallo.

- Lacunas no conhecimento:


Como explicou Luciano Verdade, membro da coordenação do BIOTA e pesquisador do Centro de Energia Nuclear na Agricultura da Universidade de São Paulo (USP/Cena), o workshop realizado na sede da FAPESP visou promover a interação entre o que se produz de pesquisa científica que pode ser aplicada na gestão da fauna com as diversas demandas existentes na sociedade.


“O Brasil tem uma política pública excessivamente conservadora no que toca à governança da fauna. A filosofia é: proíba tudo e trate todas as espécies como ameaçadas. Mas, além da proteção em si, existe uma diversidade maior de demandas em relação à fauna. Há animais que vivem em conflito com a agropecuária, a silvicultura ou mesmo com a saúde pública. Por outro lado, há outros que podem gerar riqueza e inclusão social se explorados de forma biologicamente sustentável. O panorama é mais complexo”, disse Verdade.
 
                      



O pesquisador ressaltou ainda a necessidade de desenvolver projetos de monitoramento que permitam detectar de forma precoce e eficiente eventuais mudanças no estado das populações silvestres.

“Esse processo [a boa gestão da fauna] pode ser limitado quando não sabemos ao certo o que fazer por falta de base conceitual. Há momentos que sabemos o que fazer, mas falta tecnologia para saber como fazer. A inovação, portanto, deve ser estimulada. Há ainda diversas situações em que sabemos o que fazer e como, mas não onde, quando e com quem. Nesse caso falta uma estrutura de governança. Nossa tentativa hoje é contribuir para uma percepção mais clara do que nos limita”, disse Verdade.

Segundo Carlos Alfredo Joly, professor do Instituto de Biologia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e membro da coordenação do BIOTA, o debate poderá auxiliar na definição de temas para futuras chamadas de propostas lançadas no âmbito do programa.


“O BIOTA geralmente faz duas chamadas por ano, sem contar aquelas lançadas com parceiros nacionais e internacionais. A definição da temática nasce dessas discussões com a comunidade científica”, contou Joly.

Além dos impactos do ecoturismo, também foi abordada no evento a gestão de espécies invasoras, como é o caso do javali. Segundo Virgínia Santiago, da Embrapa Suínos e Aves, a população de javalis tem se expandido expressivamente desde os anos 1990, competindo por recursos com espécies nativas. Os riscos sanitários associados a esse fenômeno, disse a pesquisadora, ainda são desconhecidos.

O pesquisador Walfrido Moraes Tomas, do Laboratório de Vida Selvagem da Embrapa Pantanal, lembrou que em 2017 completou 50 anos a lei que proibiu a caça no Brasil (exceto a de subsistência). Segundo ele, a caça existe no território nacional desde a chegada da espécie humana e ainda hoje é onipresente, apesar de formalmente proibida.


“Não conseguimos evitar o uso descontrolado e nada sabemos sobre seus efeitos sobre populações. Não há números oficiais. Com a proibição da caça, não construímos na academia as carreiras específicas para a gestão de fauna, não foi estabelecida uma demanda por profissionais com este perfil. Não estabelecemos, portanto, nenhuma base científica que possa dar suporte às tomadas de decisão”, afirmou Tomas.

Mauro Galetti, professor do Departamento de Ecologia da Universidade Estadual Paulista (Unesp) em Rio Claro, falou sobre como a defaunação pode contribuir para o agravamento das mudanças climáticas. Segundo ele, a redução das populações de grandes frugívoros nas florestas tropicais – os únicos animais capazes de dispersar sementes de maior porte – resulta na substituição de árvores de madeira dura por espécies com menor capacidade para armazenar carbono.

A bióloga Cláudia Schalmann, da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb), abordou questões relacionadas à fauna silvestre nos processos de licenciamento ambiental de projetos e empreendimentos paulistas. Destacou a importância de medidas mitigadoras do impacto, como evitar a entrada de animais domésticos nas áreas verdes, manter a conectividade do fragmento florestal do lote com o entorno e criar passagens de fauna (elevadas ou subterrâneas) em rodovias, entre outras.


A gestão de espécies ameaçadas foi tema da palestra de Marcio Martins, professor do Departamento de Ecologia do Instituto de Biociências da USP, que explicou como foi elaborado o Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção, organizado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).


Fonte: FAPESP

O poder da mente


Vivemos em uma sociedade caótica. O imediatismo e a ansiedade fazem parte do século XXI. Tudo é para ontem, tudo é perder tempo, a informação chega a todos de maneira quase instantânea e nós precisamos responder rapidamente a essa demanda, somos cada vez mais exigidos. No entanto, a reação a esse bombardeio nem sempre é imediata e as frustrações acabam por assolar as pessoas.

A resposta para o fim desses problemas é mais simples que possamos imaginar: a mente. Por mais que represente apenas 2% da massa do corpo, o cérebro é capaz de fazer a mudança e construir uma nova realidade. Isto é o que explica o terapeuta transpessoal e pesquisador, João Gonsalves: “quem estuda um pouco de neurociência sabe que o nosso cérebro é formado por conexões neurais e essa estrutura é que possibilita a ação. Fisicamente o corpo é coordenado pelos comandos mentais”.

Compreende-se então que o cérebro ultrapassa suas funções básicas e biológicas. Ao longo da vida, são construídas malhas mentais, formadas por paradigmas individuais próprios. Até então essas malhas se mantiveram estáticas e seguíamos os mesmos padrões mentais. Entretanto, João Gonsalves afirma que essa estrutura pode mudar: “depois de ter acesso às descobertas da Autosofia, nós descobrimos um novo modelo mental que invalida muito da malha que havíamos construído anteriormente”. Esse fato acaba por alterar o modo que o ser se constrói e desenvolve novas maneiras de autoconhecimento.

Cabe ressaltar que essa nova técnica não promete resultados imediatos e instantâneos. A mente é um sistema complexo e reverter toda a malha é um processo lento. O trabalho é feito artesanalmente na construção de uma nova estrutura, enquanto a outra continua ativa e habitando em conjunto. Depois disto, haverá uma consolidação da nova malha mental e a mudança da maneira de pensarmos. Para isto será preciso sempre nos mantermos conscientes e resilientes ao processo, uma vez que, a antiga forma de pensar continuará ativa e influenciando a mente.

João Gonsalves explica que, “mesmo desejando um determinado objetivo, nossas antigas crenças nos levam a agir seguindo os velhos padrões mentais e, por consequência, a obtermos os mesmos antigos resultados. Temos que agir de maneira diferente, questionando os velhos padrões e reafirmando a nova malha mental; essa nova tomada de consciência nos encaminhará aos resultados que desejamos”. O autoconhecimento é capaz sim de alterar a nossa realidade física. Um sujeito que controla a sua mente, a potencializa.


Fonte: João Gonsalves

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Natal e o Réveillon ao redor do mundo


A época de festas está chegando cheia de novidades e atrações especiais ao redor do mundo. Veja abaixo algumas atividades e experiências em diferentes destinos turísticos para celebrar o fim do ano:



- Noruega:
O Natal na Noruega não é apenas um dia, é uma temporada inteira, repleta de tradições e festividades. O Natal é chamado “jul” na Noruega e os preparativos para a data já começam no início de dezembro. Uma variedade de concertos de Natal são organizados em igrejas e centros de espetáculos por todo o país, além das famosas feiras natalinas que ganham as ruas. 


 As celebrações de Santa Lúcia, no dia 13 de dezembro, também têm grade destaque, principalmente entre as crianças, que se vestem com uma coroa de velas acesas. Para os turistas que estiverem viajando pela região dos fiordes, uma ótima dica é aproveitar o buffet especial de Natal oferecido pelo Hotel Union Geiranger até o dia 17 de dezembro, é uma ótima opção para uma refeição festiva tipicamente norueguesa. 

Alguns hotéis e restaurantes encontram-se fechados entre os dias 24 e 26 de dezembro, porém alguns locais também funcionam neste período, sobretudo nas montanhas e cidades maiores. Passado o Natal, os noruegueses se preparam para a grande festa de Réveillon. Oslo é o destino perfeito para comemorar a chegada do ano novo, são diversas as opções de atividades e festas na capital. É possível até mesmo desfrutar de um incrível jantar na Opera House, cartão postal da cidade, com fogos de artifício compondo o cenário.

Crédito: Hotel Metropole MC_StudioPhenix

- Mônaco:
O Principado de Mônaco fica super decorado para entrar no clima das festividades de fim de ano e os hotéis e outros estabelecimentos também se preparam para a data. O hotel Metropole Monte-Carlo, por exemplo, reabriu seu delicioso Bar à Chocolat para a temporada de inverno no continente europeu. O bar fica no lobby e tem o chocolate como estrela principal do menu. 

Os chefs Joël Robuchon e Christophe Cussac, o chef de confeitaria Patrick Mesiano e o chefe de bar Mickaël Bellec criaram uma seleção especial de coquetéis com e sem álcool, bebidas quentes e sobremesas baseadas no cacau. Além de darem água na boca, as criações dos chefs são de encher os olhos e seus formatos e design chamam a atenção. A experiência é imperdível para quem visitar Mônaco até o fim de março de 2018. 

O hotel também está oferecendo um pacote especial chamado Chocolate Dreams, que inclui desconto na acomodação, café da manhã americano no restaurante estrelado Joël Robuchon Monte-Carlo, uma bebida quente e um doce no Bar à Chocolat e o Metropole Lisfestyle Card, que garante acesso prioritário nos restaurantes do hotel, no Spa Metropole by Givenchy, acesso ao Cassino de Monte-Carlo e vantagens nas lojas parceiras do Metropole Shopping Center.

Crédito: Four Seasons

- Seychelles:
No arquipélago de Seychelles, os viajantes podem comemorar as festas em algumas das muitas atividades que os hotéis oferecem. O Four Seasons Resort Seychelles preparou um programa de fim de ano super especial para os hóspedes que visitarem as ilhas entre 23 de dezembro e 8 de janeiro. A chamada Temporada da Safira inclui uma série de atividades e experiências para que hóspedes de todas as idades se desconectem de sua rotina e façam uma imersão na natureza e tranquilidade do arquipélago. 

O hotel vai dar início às celebrações com uma cerimônia para enfeitar a árvore de Natal junto com as crianças, com ornamentos que elas próprias criaram. Na véspera de natal, além do banquete no restaurante Zez, será inaugurada a The Candy Shop at Petit Anse, uma loja de doces com deliciosas sobremesas, chocolates e bolos preparados especialmente pelos chefs de confeitaria do resort para a época de festas. 

O dia 25 de dezembro será comemorado com um churrasco na linda praia em frente ao resort, com mesas de piquenique, música ao vivo e um buffet infantil para os pequenos. O hotel também irá montar uma árvore subaquática que será enfeitada por fragmentos de coral escolhidos e patrocinados pelos hóspedes, como parte do projeto de restauração dos recifes da Petit Anse. No último dia do ano, haverá a noite de gala Sapphire Sensation, no restaurante Kannel, com música ao vivo e performances de dançarinos, com pratos de diferentes partes do mundo.


Fonte: Maria Clara Mancilha