sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Expedição fotográfica revela tesouros da Mongólia





A Latitudes – Viagens de Conhecimento apresenta o roteiro Expedição Fotográfica na Mongólia com o premiado fotógrafo e jornalista Haroldo Castro. Esta viagem será uma fascinante jornada para os apaixonados por fotografia em um país singular pela sua história, paisagens, cultura e seu povo hospitaleiro.

As festividades do Naadam, as chamadas Olimpíadas das Estepes, foram escolhidas como ponto central da viagem, onde serão fotografadas cenas das competições de arco e flecha, das corridas de cavalos pelas planícies e das lutas livres entre gigantes mongóis, passatempos favoritos das tropas do imperador Gengis Khan e uma maneira para manter os soldados em forma. Como o Naadam é o principal feriado nacional, todos os participantes estarão vestidos com seus trajes mais elegantes e coloridos, lembrando que eles adoram ser fotografados.

Outro ponto alto do roteiro será a visita ao monastério Khamariin, no deserto do Gobi, onde os viajantes conhecerão o local que Danzan Rabjaa, o Lama do Gobi, viveu há quase dois séculos.

Antes do mosteiro ser destruído no verão de 1938 pelo exército soviético, o monge Tuduv conseguiu esconder nas areias do deserto 64 arcas contendo os tesouros do templo: objetos religiosos, manuscritos sagrados e obras de arte. Mais da metade das arcas já foi exumada por Altangerel, neto de Tuduv e curador do museu que também será visitado em Sainshand. No norte, o grupo conhecerá o mosteiro Amarbayasgalant – na opinião de Castro, o mais bonito do país.

Para os que buscam um maior contato com a natureza, a expedição passará pelo Parque Nacional Hustai, onde os participantes da viagem fotografarão alguns dos 200 cavalos selvagens que habitam a área, que são nativos das estepes mongóis, como também a Reserva Natural Ikn Nart que acolhe duas espécies de carneiros selvagens – o Argali e o Ibex – onde o grupo tentará encontrá-los entre as formações rochosas espetaculares da região.




Cerca de um milhão de mongóis, 1/3 da população total, ainda vive no campo, seguindo seu modo de vida nômade. O roteiro proporcionará o contato com o saber e a hospitalidade nômade ao passar diversas noites em acampamentos tradicionais, nas tendas redondas “ger”, conhecendo um pouco mais do cotidiano, tornando a viagem inesquecível.



O curso de fotografia da expedição será prático, usando as festas, a natureza e as tradições budistas como temas; no final da viagem será editado um livro por Castro com fotos produzidas pelos participantes.

Fonte: Sandra Campello

Nenhum comentário:

Postar um comentário