quarta-feira, 18 de maio de 2011

A água é o combustível da vida



A origem da vida em nosso planeta surgiu na água. Ao longo de milhões de anos de evolução, os organismos vivos se diversificaram e se espalharam pela Terra , sendo que a sobrevivência de todas as espécies animais e vegetais continua ligada á água. O ser humano durante a gestação se desenvolve dentro do ventre da mãe, envolto em água. Após o nascimento, abre os olhos para a existência chorando e os fecha pela morte, sob a unção das lágrimas. A lágrima é menor que uma gota d’água, mas se comporta como um meio de comunicação universal , sendo a mensageira da dor e da alegria.

A importância deste precioso líquido se manifesta de forma física, devido a dependência do nosso corpo, que é constituído de 75% de água e também pela espiritualidade. Na tradição cristã, ela esta ligada ao batismo, a purificação e a regeneração. A ablução com água é fundamental em todas as religiões do Islã ao Taíonismo. Para Lao Tse , no livro Tao Te Ching, a água simboliza a suprema virtude. Para os hindus banhar-se ritualmente no rio Ganges, é uma experiência transcendente.

O “Rig Veda” dos hindus exalta a água como elemento que traz vida, força e pureza: “Vocês, água que reconfortam: tragam-me a força, a grandeza, a alegria e a visão”, diz um hino dos Vedas, pouco antes de definir a água como regente dos povos. Para o alcorão, a água benta que cai do céu é um dos símbolos divinos. Os jardins do paraíso islâmico tem riachos e fonte de água límpida.

A maior parte da superfície terrestre é coberta de água, mas um volume pouco maior que 2% é doce, e mais de 90% dela esta congelada nas regiões polares ou armazenada em depósitos subterrâneos muito profundos. As águas doces superficiais correspondem a somente 0,001% deste potencial. Mais de 2/3 da água doce é usada na irrigação, sendo contaminada pelos agrotóxicos ou adubos.

Nas cidades, o esgoto das casas e indústrias é quase todo jogado nos rios e no mar, sem tratamento. A água fica infectada, inclusive com germes que causam doenças transmissíveis, como a cólera. No mundo 2,6 bilhões de pessoas não têm acesso a saneamento básico, ou seja, mais de dois sextos de todos os habitantes do planeta. Outras, 1,8 milhão de pessoas morrem diariamente de desidratação, diarreia e outros problemas decorrentes da falta d’água, das quais 90% são crianças de até cinco anos. Doenças transmitidas por água contaminada matam uma criança a cada 15 segundos no mundo

O garimpo polue os rios com mercúrio, um metal pesado que causa o mal de minamata. Outro problema é a poluição térmica .Ela ocorre quando uma fábrica ou usina, aquece água no processo industrial e despeja quente no rio ou no mar. O líquido quente afeta o metabolismo de plantas e animais, que podem morrer ou deixar de reproduzir.

O Brasil é a maior reserva hidrológica do mundo. Da água doce disponível no país: 70% estão na região norte, 15% na região centro-oeste, 6% no sudeste, 6% no sul e 3% no nordeste. Há pelo menos , em tese, 34 milhões de litro de água para cada brasileiro, embora 20% da população urbana não dispõe de rede de água e esgoto e 65% das internações pediátricas são causadas pela poluição da água.

A irrigação de um hectare no nordeste brasileiro consome 18 mil metros cúbicos de água por ano, em Israel ficam em torno de 600 metros cúbicos. Enquanto um habitante do oásis no Saara usa cerca de 3 litros de água por dia. Um habitante do Rio de Janeiro gasta 450 , em Moscou 600 e Nova York , 1045. A quantidade média diária para satisfazer todos os usos de uma pessoa é de 40 litros no máximo.

O Aquífero Guarani, contem mais de 40 mil km³ de água , volume superior a toda a água contida nos rios e lagos do planeta, e estende-se pelo Brasil (Goiás, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, com 840.000 km²), Paraguai (58.500 km²), Uruguai (58.500 km²) e Argentina (255.000 km²).

A água do Guarani já abastece muitas comunidades nos estados do Sul-Sudeste do país. Estima-se que o aquífero receba por ano 160 km³ de água adicionais vindos da superfície. O desafio é impedir que estas águas estejam poluídas, para que ele não corra riscos de contaminação. Assim, poderíamos garantir que o abastecimento de água para o Brasil estaria garantido, sem reciclagem e reaproveitamento por milhares e milhares de anos. Imagine então se fizermos uma reciclagem, tratamento e reaproveitamento eficientes. Teremos água para sempre!

No Brasil, o consumo de água per capita multiplicou-se por mais de dez ao longo do século 20. Mesmo assim, existem milhões de cidadãos sem acesso a água de qualidade. É necessário um investimento significativo por parte das autoridades, que se não for efetuado poderá levar ao caos social derivado da falta d’água. Já nos outros países, onde além do problema de gerenciamento existe a falta de reservas de água, o problema poderá ser realmente gravíssimo no futuro próximo. O consumo mundial de água multiplicou por sete no século XX, mais do que o dobro da taxa de crescimento da população. Em alguns países da África e o Oriente Médio, a água já esta escassa e por isto há racionamento.

O ex-presidente do Egito, Anuar Sadat (1918-1981) considerou o papel estratégico da água, a denominando como o ouro azul no Oriente Médio, onde um copo d’água vale mais do que um barril de petróleo. Fica claro, portanto, que neste canto do mundo, para não citar outros, a água pode vir a matar, por razões óbvias, não somente a sede.

A escassez também é a principal causa da degradação da qualidade de vida para um bilhão de pessoas, sem acesso à quantidade diária ideal estimada pela Organização das Nações Unidas (ONU). No continente africano, cerca de 62% da população só tem acesso a algo em torno dos 4 m3/habitante/dia, sendo que, em algumas regiões, o índice é inferior a 3 m3/habitante/dia. Em média, o continente com maior disponibilidade de água é a Oceania, seguido da América do Sul, América do Norte, África, Europa e Ásia.

Em Nairóbi, no Quênia, algumas famílias vivem com o equivalente a um copo de água por dia, durante os meses de seca. E o preço da água mineral, nos supermercados, é superior ao dos derivados de petróleo. O desafio urbano da água está assumindo proporções inomináveis, em especial, em vastas áreas da África.

A taxa de urbanização da África é de 5%, em média, a mais rápida do mundo. Dos 138 milhões de pessoas que viviam em cidades africanas, em 1990, espera-se passar para 500 milhões, até 2020. A extrema escassez no abastecimento de água vivida por 8 países subsaarianos, em 1990, pode então alcançar 20 países, de um total de 29 países desta região.

Como no Brasil, o maior desafio na África é a redução do desperdício. Evaporação nos grandes reservatórios, vazamentos nos sistemas de captação e distribuição, ligações clandestinas, uso irracional são os maiores inimigos dos programas de educação ambiental. Mesmo nos programas internacionais, com o "Água para Cidades Africanas", os progressos são lentos e localizados. Ainda assim, a cidade de Lusaka, na Zâmbia, conseguiu reduzir as perdas de 80 para 45%, no sistema de distribuição.

Dacar melhorou o manejo dos recursos hídricos e criou um sistema preventivo contra a poluição no Lago de Guiers, seu principal reservatório. E em Accra, um plano feito pela comunidade local está reduzindo a poluição no rio Densu. Outro grave problema é o aumento nos níveis de água dos oceanos, supondo uma grave ameaça para as pequenas nações insulares, os países que se encontram a baixa altitude, como Bangladesh e Holanda, e grandes cidades como Nova York, Tóquio, Buenos Aires e Lagos, na Nigéria. Os cientistas calculam que os níveis dos oceanos subirão 48 centímetros entre 1990 e 2100.

Devemos nos conscientizar, que as águas não vão acabar no planeta , e nem mesmo estão diminuindo em seu volume de moléculas de H2O, porque este ciclo é fechado e estável. A falta de cuidados adequados na captação de chuvas e, consequentemente a poluição dos rios e dos lagos, é que acabará reduzindo o volume de águas doces superficiais, exigindo soluções de alto custo, como a busca de águas subterrâneas profundas ou a dessalinização de águas oceânicas.

Procure lembrar de todo o significado cultural, simbólico e socioeconômico da água na próxima vez em que você for saciar sua sede. O copo de água que você segura nas mãos hoje, contém mais de 10 milhões de moléculas que estiveram em contato com os nossos ancestrais. Precisamos revitalizar a água, pois ela representa um elo com o passado e um compromisso com o futuro das próximas gerações.


Autoria : Vininha F. Carvalho

Nenhum comentário:

Postar um comentário