terça-feira, 12 de março de 2013

Crise da zona do Euro desacelera o aumento dos preços de hotéis ao redor do mundo





Aumento global chega a 3%, mas crescimento anual fica contido devido à queda nos preços europeus, de acordo com o mais recente Hotel Price Index (HPI)


O preço médio de um quarto de hotel em todo o mundo subiu 3% em 2012, comparado com o ano anterior, de acordo com o mais recente Hotel Price Index (HPI), divulgado pela Hoteis.com. 

A taxa de crescimento foi moderada, considerando o aumento de 4% obtido em 2011, com os problemas da zona do Euro que puxaram para baixo a média global dos preços e desacelerou o crescimento na segunda metade do ano.

Três regiões mantiveram números diferentes do restante do mundo. O Caribe teve um aumento de 6%. Já a América do Norte teve um de seus melhores resultados nos últimos anos crescendo 5% e o Pacífico teve aumento de 4%, todos ultrapassando o valor global. A Ásia cresceu 2% e América Latina 1%, enquanto a Europa e o Oriente Médio registraram uma ligeira queda.

David Roche, President Global Lodging Group for Expedia, Inc., disse: “os hoteleiros europeus não estão imunes aos problemas econômicos da região e eles não foram capazes de manter o ritmo com a recuperação do mercado em 2012. Embora os preços tenham subido globalmente, uma estada em um hotel ainda oferece aos consumidores grandes ofertas, com taxas bem abaixo dos níveis máximos atingidos há cinco anos”.

A crise da zona do Euro não impactou somente os preços no seu território, mas também teve um efeito em cadeia em toda a região, com a insegurança financeira reduzindo os planos de viagem das pessoas.

No Caribe, a tendência all-inclusive para aproveitar as férias tem empurrado para cima os preços médios pagos. Em 2012, os EUA viram um alto fluxo de visitantes internacionais, o que significou que os hotéis tiveram menos necessidade de dar descontos para garantir mais hóspedes. 

No Pacífico, o boom da mineração na Austrália e a força do dólar australiano continuaram a impulsionar as tarifas de hotéis nas cidades, mas tornou a questão difícil para alguns destinos de lazer que dependem das demandas de entrada. 

A América Latina tem assistido a um período de crescimento sustentado por preços pagos pelos clientes ao longo dos últimos anos, impulsionado principalmente pelas economias em expansão nos dois principais mercados da região, o Brasil e o México.

Na Ásia, um conjunto de acontecimentos fez os preços irem para cima e para baixo em toda a região, incluindo a pressão para redução das taxas na Índia, devido a uma queda bruta da moeda indiana. 

A demanda de viagens também foi deslocada por uma situação politicamente delicada em torno das ilhas no Mar da China Oriental e os preços que caíram com o terremoto em 2011, o tsunami, o desastre nuclear no Japão e as inundações na Tailândia. 

O aumento contínuo do número de viajantes internacionais chineses ajudaram os quartos de hotéis no preenchimento das acomodações e na expansão das companhias de baixo custo, que também aumentaram as oportunidades de viagem.

"O turismo internacional espera subir novamente em 2013", disse David Roche. "Grande parte do foco da indústria hoteleira está agora se movendo para o leste, onde a taxa de aumento é maior e a nova infraestrutura está ajudando a impulsionar os padrões de viagem. 

A região da Ásia-Pacífico acrescentou o dobro de novos quartos de hotel, assim como Europa em 2012, e será responsável por 40% das novas construções do mundo em 2013. As taxas aqui estão subindo, mas a região ainda oferece grandes ofertas para os viajantes, com alguns dos preços mais baixos do mundo”.

Enviado por : Karla Tamarozzi
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário