terça-feira, 10 de junho de 2014

Indústria da aviação precisa desenvolver combustível ecológico

 

A indústria aeronáutica tem o desafio de desenvolver tecnologia de propulsão que utilize combustíveis ecológicos, em especial sem chumbo. 

A opinião é do engenheiro americano Dennis Lee Henson, que proferiu palestra no Seminário Internacional de Aviação, promovido pelo SENAI, entidade da FIESC, na quinta-feira (28/5), em Palhoça. 

Diretor de produção da Superior Air Parts (fabricante de motores para aviões, dos EUA) e com 30 anos de experiência na aviação, Henson falou sobre combustíveis para o setor, em evento no qual foram abordados também autonomia de aeronaves, software para manufatura aeronáutica e procedimentos de manutenção de aeronaves.

Segundo o engenheiro americano, a cada ano, são adicionadas 500 toneladas de chumbo ao combustível consumido pelos aviões nos Estados Unidos. E o componente químico acaba despejado sobre ambientes públicos e as pessoas, observa Henson. 

Ele salienta que, por segurança e eficiência para os motores e, consequentemente, para os voos, a Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA, na sigla em inglês) exige a manutenção do composto público.

Henson afirmou que a China Air Parts, subsidiária asiática da Superior Air Parts, desenvolve pesquisas para a obtenção de combustíveis ecológicos. 

Referindo-se à experiência brasileira no desenvolvimento de combustíveis a partir de fontes renováveis, ele salientou que outras pesquisas mundiais buscam o aproveitamento de etanol e de biomassa, inclusive da cana de açúcar.

Escola : 

O Seminário foi realizado na Escola de Aviação do SENAI em Palhoça, inaugurada em fevereiro. A escola concentra diversos cursos do SENAI voltados à aviação, entre os quais os técnicos em manutenção de aeronaves. 

Criado em 2010 e com a primeira turma formada em 2011, o curso já possui mais de 70 egressos contratados por companhias aéreas, dois deles no exterior. 

"O mercado tem grande carência de profissionais altamente qualificados", afirma o coordenador do curso, Luiz Flavio Caresia Gustavo. 

Há algumas semanas, uma companhia aérea realizou processo de recrutamento com 30 vagas e apenas seis profissionais (todos formados pelo SENAI/SC) foram selecionados.


Enviado por : Ivonei Fazzioni  

Nenhum comentário:

Postar um comentário