terça-feira, 29 de julho de 2014

Guia Cultural do Vale do Café em versão digital



O Guia Cultural do Vale do Café, lançado pela Editora Cidade Viva no formato impresso em 2013, acaba de ganhar versões digitais. 

Além de um portal multimídia na internet, o guia passa a ser disponibilizado também em aplicativos para Android e iOS, em português e inglês. 

O principal objetivo desta nova iniciativa é disseminar gratuitamente, ainda mais, todas as informações levantadas e reunidas no Guia para um número expressivo de pessoas.

De forma lúdica e tecnológica, tanto os aplicativos quanto o site garantem um alto nível de interatividade, facilitando a busca pelos locais de visitação de acordo com preço, local, tipo de acesso ou tipo de público para o qual é direcionado. 

“A edição digital tira proveito das interatividades proporcionadas pelos tablets, permitindo a apresentação de conteúdos adicionais e apresentação da informação de maneira mais dinâmica”, afirma Diego Souza Mello, desenvolvedor de apps da Smartfrog. 

Entre alguns dos recursos destacados por ele estão os slideshows, panoramas 360° no iPad e imagens panorâmicas no Android, integração com Google Maps além possibilidade de compartilhamento em mídias sociais. 

Outro benefício é a quebra das barreiras geográficas, uma vez que os aplicativos podem ser baixados em tablets em qualquer parte do planeta.

“Estas novas versões do Guia permitirão difundir ainda mais, para visitantes brasileiros e estrangeiros, as riquezas culturais e ambientais do Vale do Café, contribuindo para o seu desenvolvimento econômico em seu espectro mais amplo”, observa Fernando Portella, diretor da Editora Cidade Viva.Outro destaque é a acessibilidade. 

O Guia aponta quais os atrativos culturais estão aptos a receber deficientes físicos e portadores de necessidades especiais.

O Guia Cultural do Vale do Café em versão digital conta com patrocínio da Light, do Governo do Rio de Janeiro e da Secretaria de Estado de Cultura, através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Rio de Janeiro, e é uma realização do Instituto Cultural Cidade Viva.

“Um estudo recente patrocinado pelo Instituto Light revelou que a aptidão econômica de maior potencial hoje no interior do estado do Rio de Janeiro é o ecoturismo e o turismo histórico cultural. 

Isto se dá principalmente porque a região mantem um rico patrimônio material remanescente da época de riqueza do Ciclo do Café, responsável pelo desenvolvimento do país durante os séculos XVII e XVIII. 

As casas das fazendas históricas desta época constituem o legado do café e atraem turistas e negócios associados à história e cultura local. 

A Light vem patrocinando ações, estudos e eventos culturais na Região de forma a ativar este potencial. O Guia do Vale do Café é uma importante ferramenta para cumprir este objetivo”, afirma o gerente do Instituto Light, Paulo Bicalho.


Sobre o conteúdo: 

O número de pessoas que desejam fazer simplesmente turismo vem diminuindo cada vez mais. A busca é pelo conhecimento da cultura, pessoas e lugares diferentes daqueles de seus ambientes de origem. 

Ou seja, cada vez mais o público se interessa por atrativos até agora pouco conhecidos, como, por exemplo, o Palacete Barão Ribeiro de Sá, em Paraíba do Sul, a dança do caxambu, em Vassouras, ou as compotas e doces caseiros da Dona Carmem, em Miguel Pereira. 

Neste sentido, o produto cultural ganha maior peso e se evidencia como gerador de renda.

O Guia Cultural do Vale do Café permite a presença do visitante diretamente na fonte de produção de artistas plásticos e de artesãos, inclusive do setor do vestuário regional, em suas oficinas e ateliês sediados no Vale. 

Leva as pessoas para degustar pratos típicos da culinária em restaurantes, bares e cafés pitorescos, assim como visitar fazendas históricas, com programas abertos para visitantes. 

Leva o público para conhecer centros históricos, admirar arquiteturas e conhecer locais onde é possível apreciar músicas e danças locais do interior, com toda sua riqueza de temas e harmonias. 

Os festivais de música, teatro e dança e os parques temáticos também estão assinalados, assim como as festas regionais, divulgados dentro de um calendário, com indicações de contatos para acesso e visitação. Pousadas temáticas estão inseridas, dentro do ambiente histórico.  


Enviado por : Maite Blancquaert

Nenhum comentário:

Postar um comentário