terça-feira, 5 de agosto de 2014

Viagem mergulha na cultura oriental do sudeste asiático



O Sudeste Asiático chega na Freeway em mais uma rica viagem, incluindo a Tailândia e a Indochina Francesa, constituída pelo Laos, Cambodja e Vietnã.


A viagem mescla a rica cultura religiosa da região, com seus milhares de budas, diferentes, guardados em milhares de templos, seus milhares de monges, que provocam uma reflexão mais espiritual, com o contato com a natureza, sua rica gastronomia e atividades variadas.

Tudo começa na Tailândia, com seu palácio real, o Buda folheado a ouro de 46 metros de comprimento e 15 metros de altura e o Buda de Esmeralda. O que já impressiona muito nossos olhos ocidentais.

O rio Mekong, uma histórica e importante artéria aquática da região será palco de uma descida de barco regional típico de 2 dias em meio a seu vale. 

No caminho serão visitadas aldeias locais onde veremos como vivem as populações desta região do Laos, um país calmo com apenas 6 milhões de habitantes.

Luang Prabang será um dos pontos altos da viagem.A antiga cidade imperial encanta, com sua forte influência francesa, formada pelo encontro dos vales dos rios Mekong e Khan, e que foi tombada em 1995 como Patrimônio Mundial da Humanidade pela UNESCO.

A melhor forma de descobri-la é através de passeios a pé, de bicicleta e de tuktuk… Ela encanta com sua calma, com as cerimônias das 6 horas da manhã, quando milhares de monges em suas túnicas alaranjadas passam, em procissão, um atrás do outro, pela calçada da rua principal da cidade quando os cidadãos e turistas dão-lhes de comer, enchendo suas panelas com arroz, biscoitos e outros alimentos.

Durante as doações, os monges permanecem em silêncio, e em momento algum conversam com os turistas. Luang Prabang encanta também por seus templos, suas paisagens de beira rio, suas feirinhas noturnas, suas “lojinhas” de massagem, espalhadas por toda a cidade, e seus restaurantes charmosos, de culinárias asiáticas e internacionais.

Ela encanta por sua gente.Simpática, tranquila, calma. E que não levanta a voz . E pelas cachoeiras de águas transparentes, com seu parque de recuperação dos ursos e seu parque de recuperação dos elefantes.

Em Luang Prabang a religiosidade paira no ar. Até mesmo os mais céticos se rendem a mágica sensação de bem estar que a cidade exala.

De todos os países a serem visitados, o Laos é o que mais recebeu a influência francesa e o país que mais preserva os resquícios da Indochina colonial. Não é para menos, que o segundo idioma mais falado é o francês, perdendo apenas para o idioma local, o laociano.

Os templos são de uma arquitetura rica, com seus telhados vermelhos, colorindo ainda mais a região. Um programa noturno é uma imensa feira ao ar livre, onde é possível comprar presentes bem característicos do lugar, com preços bem acessíveis.

Ainda em Luang Prabang, o grupo poderá dar banho nos Elefantes. Acompanhados pelos treinadores, os turistas terão a chance de alimentar e dar banho nestes animais, com direito a muita água e muita diversão.

A próxima parada será o Vietnã, mais precisamente Halong Bay. 

O país já foi cenário de inúmeros filmes hollywoodianos, e com a marcante história das guerras não foi difícil colocar este país no imaginário dos ocidentais. As diversas histórias que permeiam este lugar estão relacionadas às tristes guerras.

Mas, não seria justo com o Vietnã lembrar apenas destes tristes acontecimentos. Aqui, se preserva uma das mais belas paisagens de todos os tempos, que formou um cenário encantador. Estamos falando de Halong Bay que, com suas mais de 3 mil ilhas, desponta como um dos mais belos destinos do sudeste asiático. 

Aqui, a paisagem fala por si, com suas rochas de calcário maciço e um mar cor de esmeralda. A visita será feita a partir de um cruzeiro de um dia e uma noite. Haverá a possibilidade de andar de caiaque e nadar.

Ainda pouco conhecida no Brasil, a cozinha vietnamita é rica, saborosa, e tão deliciosa quanto a tailandesa. É comum o uso de capim santo, pimentas e gengibres em pratos locais.

No cruzeiro haverá a visita à caverna Sung Sot, a gruta mais bonita e mais ampla da Baía.

Chegando a Hanói, uma cidade frenética, o grupo assistirá ao clássico show das Marionetes D’Água, e passeará pela cidade, passando pelo Templo da Literatura e pelo Mausoléu de Ho Chi Minh.

Rumo a Cambodja, o grupo desembarcará em Siem Reap no 13° dia. Assim como Vietnã, Cambodja também sofreu com os bombardeios das inúmeras guerras. 

Após anos se reerguendo, o Cambodja começa a se tornar um grande destino mundial. Siem Reap é a causa disso.

É nesta região que se encontra o famoso Angkor Wat, um impressionante complexo composto por inúmeros templos em ruínas – mas com muito ainda de pé para ser visto. Este complexo foi, nos séculos de IX a XV, a casa do Império Khmer.

Conhecida como a cidade perdida, Angkor possui centenas de templos, e hoje é responsável pela renda deste reinado, já que recebe anualmente milhares de visitantes. 

Um dos principais templos do complexo é o incrível Angkor Wat, composto de 54 torres esculpidas e os impressionantes Banteay Kdei e Ta Prohm, ainda cobertos pela selva.

Foram descobertos em 1870 e descritos pelo explorador francês Henri Mouchot ,como “maior do que qualquer coisa encontrada na Grécia ou em Roma”.

Angkor é uma experiência verdadeiramente mágica e um paraíso para amantes da fotografia, sendo um dos principais destaques da viagem.


Enviado por : Felipe Gamba
                                                   

Nenhum comentário:

Postar um comentário