quarta-feira, 10 de setembro de 2014

21% dos brasileiros não pesquisam preços na hora de comprar, diz pesquisa


Segundo pesquisa realizada pelo Portal Meu Bolso Feliz, uma iniciativa de Educação Financeira do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) para avaliar o comportamento de compra do brasileiro, 21% dos consumidores não fazem pesquisa de preço na hora de comprar e 71% concordam que não têm tempo para buscar ofertas.

"A vida que levamos nos deixa mais ansiosos. A correria do dia a dia faz com que as pessoas queiram possuir as coisas imediatamente, deixando de lado a pesquisa apurada", avalia José Vignoli, educador financeiro do Portal Meu Bolso Feliz - uma iniciativa de Educação Financeira do SPC Brasil.

O problema, segundo o educador, é que esse hábito impulsivo faz com que consumidores gastem mais, comprem produtos mais caros, pouco úteis ou apenas comprem porque encontraram um produto mais barato do que o habitual.

"O consumidor deve entender que é dono do próprio tempo que e precisa revisar hábitos, saber quando a pesquisa vale a pena e, assim, economizar e fazer boas compras", conclui.

Com base nisso, O Portal Meu Bolso Feliz produziu o manual da pesquisa de preço e explica para você, consumidor, quando buscar melhores preços e como fazer isso da melhor forma. José Vignoli complementa as dicas e apresenta as táticas e as vantagens de pesquisar antes de comprar.


Quanto vale o seu tempo:

A tática essencial para saber se a pesquisa vale seu tempo é descobrir quanto vale a sua hora. Para isso, divida quanto você ganha pelo número de horas que você trabalha.

Exemplo1: Salário - R$2.000 /160 (horas trabalhadas) = R$12,50 (valor do seu tempo por hora).

Exemplo 2: R$1.000/160= R$6,25 (valor do seu tempo por hora).

A partir do valor encontrado, você descobre como pesquisar e quantas horas do dia você deve dedicar fazendo essa busca.

Afinal, se você nunca tem tempo para nada, pegar o carro para visitar três diferentes lojas precisa te render uma economia mais significativa ou você corre o risco da pesquisa custar mais do que o desconto.

Por outro lado, se você tem uma vida mais tranqüila e consegue reservar bastante tempo para esse hábito, um desconto menor é valioso e a pesquisa passa a valer seu esforço.

Dicas para realizar pesquisas :

Eletrônicos, eletrodomésticos, móveis e outros itens de maior valor: a internet é uma ótima ferramenta de busca e a pesquisa é fundamental.

Como a compra, nesse caso, se limita a um bem de maior valor, o consumidor deve usar a pesquisa para consultar preços, modelos, marcas e especificações.

Remédios:

Nunca deixe de pesquisar esse item, indo em, pelo menos, três estabelecimentos. Segundo pesquisa da Fundação Procon-SP, realizada em farmácias e drogarias da capital paulista, os genéricos são 56,63% mais baratos do que os de referência.

E mais: entre os medicamentos genéricos, a diferença de preços é de até 1.132%. Ou seja, um medicamento que custa R$1 em uma farmácia pode chegar a R$12 em outra.

Supermercado:

Se você faz compras mensais, sempre reserve algumas horas para checar valores. Para facilitar a busca, foque nos itens mais caros como carnes e verduras, pois a probabilidade de gastar mais com esses produtos é grande.

Outra dica valiosa é pesquisar quais as frutas de cada estação, muito mais baratas e saborosas. A pesquisa pode ser feita apenas uma vez e te fará economizar sempre.

Roupas:

Tente se preocupar menos com a marca e mais com a qualidade. Ser fiel a uma loja que fabrica um produto de alta durabilidade é sempre a opção mais econômica. Outra boa dica é ter em mente o que se precisa antes de sair de casa para comprar, assim você poderá visitar as lojas pesquisando o preço do modelo que precisa.

Otimizar a pesquisa :

1) Utilize os sites especializados em comparar os preços de um determinado produto e apontar em que estabelecimento ele está mais em conta.

2) Procure sites que reproduzem folhetos impressos de hipermercados, farmácias, lojas de material de construção, lojas de roupas e outros tipos de comércio. Assim, você economiza seu tempo e o transporte, pois não precisa visitar as lojas.

3) Para quem prefere pesquisar à moda antiga, vá a pelo menos três lojas diferentes para descobrir o valor do que procura. Mas lembre-se da regra de bolso: essa procura vai te custar quanto?

4) Leve em consideração o que procura de verdade e não se deixe levar por impulsos.

5) Cuidado com os anúncios promocionais. Não deixe de pesquisar mesmo que se trate de um artigo em promoção.

6) Negocie! Não é raro um cliente conseguir diminuir o valor de um produto ao apresentar na loja um orçamento mais em conta da concorrência.


Fonte: Guilherme de Almeida

Nenhum comentário:

Postar um comentário