segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Eco Parque Sauípe é opção de turismo sustentável nas férias

                                                           

Rico em atrativos naturais, local abriga Estação Ambiental Braskem e o Museu de História Natural Cetrel, com os Núcleos de Ciências Naturais e de Arqueologia


Aqueles que buscam atividades que reúnam ecologia, educação ambiental, aventura e cultura como alternativa à praia neste verão, podem encontrar uma programação interessante em locais como o Eco Parque Sauípe, a Reserva Sapiranga, o Projeto Tamar e as ruínas do Castelo Garcia D’Ávila, todos localizados no Litoral Norte da Bahia.
Durante o verão, no período de 27 de dezembro a 1º de março de 2015, aproveitando as férias escolares, o Eco Parque Sauípe, situado no município de Mata de São João, a 77 km de Salvador, abrirá suas portas com o “Verão Eco Parque Sauípe”, projeto realizado pelo Instituto Fábrica de Florestas, gestor do Eco Parque, e patrocinado pela Braskem e Cetrel, também mantenedoras do Instituto. 
O espaço funcionará de quarta a domingo, das 10h às 16h, incluindo, além dos atrativos do Parque, atividades recreativas como parede de escalada, tirolesa, passeios de caiaque e aluguel de bicicletas. 
Criado com o objetivo de estimular a conservação dos ecossistemas e fomentar a educação ambiental, desde 1998, o Eco Parque Sauípe protege uma área de 66 hectares na região de transição de dois ecossistemas do bioma Mata Atlântica (a floresta e a restinga), além de fornecer mudas de plantas nativas utilizadas em áreas de reflorestamento. 
O local tem ainda lagoas, nascentes, variedade de árvores, diversas espécies de animais nativos, como o jacaré de papo amarelo e macaco prego, e diferentes trilhas ecológicas. 
Na parte gastronômica, o turista pode experimentar o beiju de tapioca feito pela comunidade, na casa de farinha. A taxa de acesso ao Parque, contribuição ecológica de manutenção do espaço, será de R$ 10 reais, para estudantes e crianças de 6 a 12 anos, e R$ 20 para adultos. Crianças até cinco anos não pagam.


Conhecimento Ecológico :

Os visitantes podem ainda conhecer a Estação Ambiental Braskem e o Museu de História Natural Cetrel, com os Núcleos de Arqueologia e Ciências Naturais, que contam com um acervo com mais de cem utensílios que reproduzem a história da ocupação humana na região, com vestígios de tribos nômades que viveram há mais de três mil anos. 
O espaço também oferece uma coleção de 380 animais empalhados, de 180 espécies, que ilustram os diversos ecossistemas brasileiros.

Inaugurada em junho deste ano no Eco Parque Sauípe, a Estação Ambiental Braskem, que integra o Programa de Educação Ambiental do Instituto Fábrica de Florestas (IFF), visa contribuir na educação de jovens estudantes, moradores das comunidades vizinhas do Polo Industrial de Camaçari. 
A iniciativa tem 750m² de área construída - distribuída em três módulos: Espaço Braskem, dedicado ao ciclo de vida do plástico e suas possibilidades de tornar a vida mais prática e sustentável, com destaque para o plástico verde - produzido a partir do etanol de cana-de-açúcar; Espaço Interativo da Sustentabilidade com atividades relacionadas à sustentabilidade e ao consumo consciente, focadas nos temas ‘Água’, ‘Energia’ e ‘Resíduos’; e Viveiro Escola, onde os visitantes recebem informações sobre botânica, produção e plantio de mudas nativas de Mata Atlântica e conservação das florestas.


Reserva Ecológica da Sapiranga:
Também em Mata de São João, outra opção para os apaixonados por ecoturismo e aventura é a Reserva Ecológica da Sapiranga. Com 600 hectares de Mata Atlântica, na Reserva é possível fazer trilhas de bicicleta, a cavalo ou de quadriciclo.

Já a Praia do Forte abriga a sede nacional do Projeto Tamar, de proteção às tartarugas marinhas. A base é responsável pelo monitoramento de 30 km de praias, protegendo da ameaça de extinção ninhos de tartarugas das espécies cabeçuda, de pente, verde, oliva e de couro. 
No centro de visitantes é possível conhecer um pouco mais desse trabalho, através do museu aberto, de aquários, tanques e de uma exposição permanente de painéis fotográficos e vídeos.


Castelo Garcia D’Ávila:
As ruínas do Castelo Garcia D’Ávila, considerado a primeira edificação civil portuguesa no Brasil, são a alternativa perfeita para quem busca um passeio cultural e quer conhecer um pouco mais da história do Brasil Colônia.
                               
O castelo começou a ser construído em 1551, por Garcia D´Ávila, que ocupava o cargo de almoxarife da coroa real e havia acabado de chegar à Bahia, acompanhando o primeiro governador geral, Thomé de Souza, em 1549. As ruínas foram tombadas pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em 1938.

Enviado por : Thais Correa

Nenhum comentário:

Postar um comentário