sexta-feira, 26 de junho de 2015

Quem são os consultores?


Encontrar um consultor prestando serviços dentro de uma empresa é uma tarefa comum nos dias de hoje. Talvez, ao olhar por sobre sua estação de trabalho, vai se deparar com um consultor sentado à sua frente ou mesmo passando com um copo de café pelos corredores da sua empresa. Mas afinal, o que é um consultor e o que ele faz?

Primeiro voltemos um pouco no tempo. Um consultor sempre foi um personagem conhecido na história da humanidade. Era como um “guia” convocado para deliberar assuntos quando os líderes necessitavam da independência ou mesmo de uma segunda opinião. 
Os sacerdotes da Grécia antiga, os Pajés das tribos indígenas, dentre vários outros exemplos, assumiam este papel de consultor. Via de regra, os governos, organizações, líderes, e porque não dizer, indivíduos, sempre buscaram o conselho de experts “no assunto”.

O consultor contemporâneo surgiu no período da revolução industrial, pois era necessário que as empresas buscassem especialistas no assessoramento das questões produtivas, de capital humano e na gestão. No Brasil, na década de 90, com a onda de privatização do setor público, foi iniciada uma onda de contratação de profissionais oriundos da iniciativa privada para auxiliar as “novas empresas privadas” tanto do ponto de vista produtivo, como administrativo e cultural.

Existem duas classes de consultores, os externos e os internos, sendo que o primeiro é contratado e o segundo faz parte do grupo de colaboradores. Ambos os casos trazem vantagens e desvantagens. Por exemplo, um consultor externo, possui um grau de independência maior que um consultor interno, entretanto ele não conhece as características e detalhes da empresa como um consultor interno.

- Qual caminho seguir na contratação de um consultor?

Acreditem, muitas organizações contratam consultores sem saber bem ao certo quais seus papeis e responsabilidades. As empresas sabem que estão passando por uma crise, econômica, cultural, de conflitos internos, e resolvem lançar um profissional, muitas vezes despreparado, para auxiliar no processo de solução do problema e usam a famosa frase “resolve ai para mim!”.

- Aqui vão algumas dicas interessantes para contratar um consultor:

- Detecte qual o seu problema:

Apenas sabendo qual é o problema, conseguirá determinar que tipo de consultoria necessita contratar. Muitas vezes é muito mais barato contratar uma pessoa física especialista na solução de um problema, do que uma empresa de consultoria. E o inverso é verdadeiro, ou seja, muitas vezes o problema tem uma complexidade que deve contar com um time de especialistas no assunto, com novas técnicas de mercado, que um único consultor não possui, então a consultoria especializada é a melhor solução.

- Faça um check list dos requisitos necessários:

- O perfil: a contratação deve corroborar com o problema. Se você tem um problema de clima organizacional, não adianta contratar um biólogo sem experiência na melhoria de climas organizacionais.Não que esta qualificação seja um impeditivo, mas talvez para este caso, seja melhor contratar um profissional da área da psicologia. Agora se o seu problema é revisar um relatório sobre preservação ambiental, possivelmente o biólogo esteja mais apto que o psicólogo;

- Experiência: contrate quem comprova conhecimento e experiência na área de atuação do problema. Mesmo que esta pessoa não tenha muita experiência como consultor, ela pode ter trabalhando muitos anos na área foco do problema, e pode conhecer tão bem o assunto como um consultor;

- Referencias: busque referencias profissionais. Elas são importantes para validar sua decisão;

- Maturidade: componente valioso no momento da contratação de um consultor. Cometerá um erro ao contratar o “consultor amigão”, sabe aquele que não quer se indispor com os funcionários e acaba não se posicionando perante aos problemas?

Lembre-se precisa contratar alguém maduro o suficiente para entender que se existe um problema o mesmo deve ser resolvido. A maturidade também conta para conseguir, além de lidar com os problemas, gerenciar conflitos emocionais que possam surgir no caminho. Habilidade inter e intrapessoal são essenciais ao consultor.


- Quais as vantagens em contratar um consultor?

- Experiência: contratar um consultor é buscar por tempo determinado um profissional que possua conhecimento relacionado com o problema levantado. A especialização no assunto é uma das vantagens mais importantes no momento da contratação;

- Foco: atuação diretamente relacionada ao problema levantado. Ter prazo predefinido e introdução de técnicas de mercado diferenciadas na solução dos problemas são excelentes aliados na conclusão satisfatória do projeto;

- Independência: neutralidade na realização das atividades, sem o vinculo com departamentos ou pessoas. São isentos de medo na tomada de decisão e têm foco no problema e na sua solução.

Economia: na maioria dos casos, um consultor tem um custo de contratação menor que um funcionário regular especializado, pois alem de vantagens no tocante a encargos sociais, tem prazo definido de atuação, gerando economia para as organizações;

Contrato: ao término do contrato, renovar ou não é uma questão simples, pois envolve a qualidade da atuação do consultor no projeto anterior, assim como, a existência de novas demandas.

- E as desvantagens?


Falta de vínculo: muitas vezes um consultor realiza seu trabalho sem atender ao principio da boa convivência, gerando problemas políticos e emocionais dentro do ambiente organizacional;

Dependência: empresas costumam se adaptar ao consultor “solucionador de problemas” e se tornam dependentes dos mesmos. Ao término dos projetos, os problemas voltam a aparecer e as vezes, em maiores proporções, nascendo uma dependência do consultor.

Implantação: Relatórios bem escritos por consultores podem não ser facilmente implantados nas empresas. A questão é: quem está preparado para implantar o trabalho?

Auto-estima: contratar consultor muitas vezes reduz a auto-estima dos colaboradores das organizações, ou porque acreditam que os lideres não os julgam capazes de resolver os problemas ou mesmo porque eles acabam por ser o foco do problema ou parte dele.

Aventureiros: a crise e o desemprego trouxeram ao mercado, diversos profissionais que buscam recolocação e se intitulam consultores. Cuidado, pois estes profissionais podem ter características completamente distintas das que busca. Evite os aventureiros.


                            

Fonte:  Robson Profeta - executivo, e atua nas áreas de finanças, administração, RH, e negócios há mais de 20 anos. Ele é formado em Ciências Contábeis, com pós-graduação em Finanças Corporativas, além de ter MBA Executivo pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e extensão pela Universidade de Chicago.

Nenhum comentário:

Postar um comentário