quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Cuidar de plantas é um exercício físico e mental




O estresse e a ansiedade são os problemas que mais afetam as pessoas neste século. A irritação com tudo, a cabeça cheia e saturada de problemas faz com que a qualidade de vida caia. Porém, uma das maneiras de se tratar disso que estão sendo utilizadas é a terapia de jardim, também conhecida como hortoterapia.

Para muitos profissionais da saúde, possuir e tomar conta de um jardim pode fazer muito bem para saúde. O exercício de cuidar de plantas, regando-as e adequando a terra para suas necessidades pode ajudar na diminuição do estresse, além de prevenir depressão.

Cuidar de plantas é uma grande solução médica para quem sofre, por exemplo, com a falta de sono ou transtornos. “Estudos feitos compararam a diferença na melhora no humor ao ficar lendo um livro por 30 minutos ou cuidar de um jardim. O resultado foi que as pessoas que mexem com terra ficam mais felizes e calmas”, revela a bióloga, especialista em paisagismo e educação ambiental Lilian Ribeiro.

Para ela, entretanto, a terapia de jardim deve ser feita com seriedade e com alguns cuidados, pois só assim terá resultado. 



“O contato da mão com a terra é um ponto muito interessante. O ideal é você não usar luvas porque existe, no solo, uma bactéria que produz a serotonina, o hormônio do humor. Então o contato ativa essas bactérias no nosso organismo, que nos deixa mais bem humorados”, afirma.

- Estimulando a criatividade:


Para quem não tem muito espaço em casa, os mini jardins e terrários se tornaram aliados para aproveitar as vantagens que os vegetais podem proporcionar. 



A diferença do mini jardim para o terrário é que o terrário é um bioma construído em um vidro transparente, que ao receber a luz solar, indispensável para o processo de fotossíntese, faz dele um ecossistema autossuficiente em ar, água e nutrientes. 

Os mini jardins são construídos geralmente em material opaco, como por exemplo uma bacia de cerâmica, uma xícara de porcelana, um mini regador, etc. 



O inglês, David Latimer, por exemplo, construiu seu próprio bioma em 1960, ficou doze anos sem precisar abrir para regar as plantas. E esse terrário dura até hoje”, revela Lilian.

A fundadora do Lili Terrários e Mini Jardins, em Curitiba-PR conta que é uma maneira de trazer a natureza para dentro de casa, que não exige tanto trabalho, mas que continua sendo uma ‘atividade física e intelectual’. 




“Cuidar de plantas também é um exercício físico, muito mais leve do que outras opções que você tem hoje e você também exercita a mente porque vai criando ideias. Você pode montar seu próprio ecossistema em casa e usá-lo como objeto de decoração, dando uma sensação de paz e tranquilidade ao ambiente”, conclui.



Fonte: Verônica Pacheco

Nenhum comentário:

Postar um comentário