quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Cidade do México: uma capital a descobrir


A Cidade do México é superlativa. Metrópole mais antiga das Américas, a segunda cidade mais populosa do mundo, com 21 milhões de habitantes, é dividida em 16 delegações e 300 colonias (seus bairros). Os números e sua grandiosidade a princípio podem assustar os viajantes de primeira viagem. Mas qualquer preocupação se dissipa ao descobrir que ela entrega nas mesmas proporções gigantescas doses de diversão, sabores, cultura e cores.

Igualmente grandes são seus contrastes. Edifícios espelhados convivem com ruínas arqueológicas astecas. Povoados pitorescos mantém o modo de vida dos antepassados enquanto outros bairros são ícones das últimas tendências em moda e design. 


Você tem a chance de provar pratos que seguem receitas originais do período pré-hispânico ou criações da culinária molecular. E no campo das artes, as obras de Frida Kahlo podem ser admiradas no mesmo dia que estreia a exposição um novo pintor nas galerias de artistas contemporâneos.

Uma das belezas da Cidade do México é descobrir estas dualidades. Constatar que é na convivência harmônica dessas diferenças que reside boa parte de seu charme. 

Para isso, é preciso considerar pelo menos cinco dias para desbravar seus principais recantos e se deixar envolver pela simpatia característica dos mexicanos e pela atmosfera de umas das megalópoles mais emblemáticas do mundo.                             

- Rotas culturais:
A Cidade do México respira história e cultura em cada esquina. São tantas atrações que poucos dias não bastam para conhecê-las por completo - aliás, uma tarefa difícil de ser realizada inclusive pelos moradores da capital. A maior parte dos principais atrativos se concentra no Centro Histórico. 

Ele pode ser percorrido a pé, em um roteiro que inclui a Plaza de la Constituición (popularmente conhecida como Zócalo) e a imponente Catedral Metropolitana, a maior e mais importante do hemisfério ocidental, com fachada do Barroco espanhol e cúpula neoclássica.

Também na região, a zona arqueológica do Templo Mayor surpreende com as ruínas da cidade asteca de Tenochtitlán. No Palacio Nacional, observe o famoso mural de Diego Rivera. Suas obras também estão no imponente Palacio Bellas Artes, na Plaza Alameda Central, que reúne ainda peças de outros importantes artistas mexicanos, como Rufino Tamayo, José Clemente Orozco e David Alfaro Siqueiros.

O Paseo de la Reforma, a principal avenida da cidade, leva a atrações como o Monumento a la Independencia, muito conhecido como Él Angel, por conta da Vitória Alada na sua parte superior; e ao excelente Museo Nacional de la Revolución. Reserve um bom tempo do passeio para curtir com tranquilidade o Bosque de Chapultepec. 

Além de ser a maior área verde da capital, ele abriga, entre outras atrações, o Museo Nacional de Antropología, o maior do México e um dos mais importantes do gênero no mundo, e o Museo de Nacional de Historia, com destaque para a ala do Alcázar.

Passeios de um ou meio dia levam a outras atrações imperdíveis nos arredores da capital. Em Xochimilco, 28 quilômetros ao Sul, os canais e ilhas artificiais construídos pelos astecas hoje ganham os coloridos das trajineras(embarcações planas), numa festa que inclui música, comida típica e artesanato todos os finais de semana. 

A 51 quilômetros a nordeste da Cidade do México, Teotihuacán, fundada por volta de 100 a.C. preserva suas impressionantes pirâmides e sítios arqueológicos. E para um mergulho cultural completo, uma viagem de metrô leva a Coyoacán, cidadezinha colonial onde viveu Frida Kahlo. Sua antiga casa hoje abriga um museu com objetos pessoais, pinturas e obras de arte colecionadas por ela e seu marido, o pintor Diego Rivera.
                                  

- Sabores:
A variedade de sabores da gastronomia da Cidade do México é tamanha que, não importa quantos dias dure a sua viagem, sempre vai voltar com um gostinho de quero mais. Há as comidas típicas das casas tradicionais, o arsenal de ingredientes e temperos inusitados nos mercados e até receitas do México pré-hispânico nos chamadostianguis, as feiras de rua. Isso sem falar nos elaborados pratos criados por chefs que revolucionaram a gastronomia do México e figuram nas principais listas dos melhores restaurantes do mundo.

Um dos que encabeçam esse movimento é Enrique Olvera. No Pujol, ele oferece uma reinvenção da comida mexicana tradicional, com ousadia, técnica e resgate de sabores que valorizam as raízes locais.

Outro que desponta nesse cenário é o chef Jorge Vallejo, do restaurante Quintonil. Aluno de Olvera, ele é uma estrela em ascensão e tem sido aclamado por suas criações que utilizam produtos nativos e apenas ingredientes da estação - grande parte deles colhidos na horta que mantém no seu restaurante.

Também vale ficar de olho nos chefs Mikel Alonso, Bruno Oteiza e Gerard Bellver. Os três comandam a cozinha doBiko e mesclam a culinária basca e ingredientes mexicanos. O resultado é uma mistura de texturas e sabores que extrai o melhor das duas gastronomias.

Não por acaso, os restaurantes desses renomados chefs estão localizados em Polanco. Ao norte de Chapultepec, o elegante bairro concentra as opções mais sofisticadas da capital. Além dos representantes da nova gastronomia mexicana, há charmosos espaços de culinária contemporânea e internacional.

A viagem gastronômica perfeita pela Cidade do México combina a degustação nesses restaurantes com o melhor da culinária tradicional, servida em casas mais simples e nos tianquis. Você vai se surpreender ao descobrir delícias que vão além da guacamole e dos tacos - os mais conhecidos internacionalmente.

No El Jardín del Pulpo, por exemplo, localizado no Centro Histórico de Coyacán, a refeição pode incluir chilesrecheados com mariscos. No Bajío, que tem várias sedes pela capital, a típica comida mexicana inclui pratos como os tamales de feijão envolto em folhas de abacate. E se bater a fome durante uma caminhada, as barracas de rua servem enchiladas, tacos e outros quitutes típicos deliciosos. Só cuidado com a pimenta! Essa, sim, uma tradição inabalável em qualquer mesa mexicana.

- Bairro a bairro:
Uma das raízes da diversidade cultural da Cidade do México está nos seus bairros que, apesar de ocuparem a mesma metrópole, ainda conservam diferentes identidades. Selecionamos entre as mais de 300 colonias aquelas mais representativas para o turismo na capital. 


Confira suas características principais e eleja o destino que mais combina com seu estilo de viagem:

- Centro histórico: passado preservado
Declarado Patrimônio da Humanidade pela UNESCO, é um vibrante polo de cultura, religião e política. E isso desde os tempos dos astecas, que ergueram neste núcleo sua capital. Caminhar por suas ruas permite observar restos arqueológicos dessa civilização, além de antigos edifícios coloniais. 


O coração do Centro é a Plaza de la Constituición, popularmente conhecida como Zócalo, ponto de partida para conhecer atrações como a Catedral Metropolitana, o Templo Mayor, o Palácio Nacional e o Museu Nacional de Arte. Embora seja um bairro mais movimentado, ainda preserva praças e pátios tranquilos para fugir da agitação. 

- Condesa e Roma: redutos cosmopolitas :
Localizados na zona oeste do Centro da cidade, destacam-se pelas largas avenidas arborizadas, parques e a elegância de seus edifícios de estilo art déco e neoclássicos. Muitos deles são ocupados por restaurantes, bares, cafeterias, livrarias, centros culturais e galerias de arte. São os bairros do momento para caminhadas durante o dia para relaxar ou descobrir as novidades e, à noite, curtir a balada e conferir alguns dos melhores restaurantes da capital.

- Coyacán: boêmio e pitoresco
Ao passear entre ruas de paralelepípedo e casarões coloniais desse bairro ao sul da capital, entra-se em um mundo de belas praças, galerias, restaurantes tradicionais e uma boemia "de antigamente". E fica mais interessante ainda ao saber que por ali circularam o revolucionário Leon Trotsky e os artistas Diego Rivera e Frida Kahlo. A casa onde ela viveu, aliás, é o principal destino dos visitantes, que aproveitam também museus, cafés, lojas de artesanato e o clima bucólico ainda preservado.

- San Ángel:  charme colonial
Antiga zona de cultivo de flores e hortas, no final do século 19 viu a chegada das famílias mexicanas mais abastadas, que ali construíram luxuosas casas de campo. Hoje, muitas delas são centros culturais, percorridos em caminhadas pelas ruas de paralelepípedos pelos visitantes, que podem conhecer ainda o Ex-Convento e Iglesia del Carmen e o colorido Bazar del Sábado, na Plaza de San Jacinto.

- Zona Rosa: diversão, passeio e trabalho
É cortada pelo Paseo de la Reforma, a principal via pública da capital, com grande variedade de lojas, hotéis, restaurantes e discotecas, que fizeram a fama do bairro como principal centro de lazer da cidade. 


Construída nos moldes da Champs-Élysées, de Paris, a avenida é pontuada por monumentos importantes, como o El Ángel, com a famosa estátua da Vitória Alada no topo, erguido em homenagem ao centenário da independência mexicana, em 1910. A região também é o eixo financeiro e comercial da cidade.

- Polanco: charme e elegância
Ao norte de Chapultepec, o charmoso bairro é sinônimo de luxo e sofisticação, com lojas de grife, restaurantes elegantes, agradáveis cafés, boutiques e um cenário bem-cuidado de jardins, praças e bonitas construções.

- Chapultepec : museus e natureza
Principalmente nos finais de semana, o Bosque de Chapultepec atrai moradores e turistas para desfrutar seus lagos, bosques, trilhas e zoológico. 


O roteiro pode incluir as boas atrações culturais do parque - como o Museo Nacional de Antropología, o de Arte Moderno e o de Historia Natural -, piqueniques sob as árvores, passeios de pedalinhos e refeições nos restaurantes à beira do lago.

- Garibaldi: mariachis, tequila e tradição
Para ter certeza que vai encontrar uma serenata de mariachis, essa praça é o destino certo. Ao redor dela, há bares para degustar tequilas e ouvir grupos folclóricos. No Mercado del Caminito, a pedida é provar quitutes típicos mexicanos antes ou depois de visitar o Museo del Tequila y el Mezcal, onde se conhece a história dessas bebidas. Garibaldi é especialmente divertido à noite, quando o clima de festa toma o local. 


Fonte: Thaiane Nogueira

Nenhum comentário:

Postar um comentário