segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Visto: tudo o que você precisa saber antes de fechar seu intercâmbio


O visto é um documento super importante na hora de planejar o seu intercâmbio. A maior parte dos destinos procurados pelos estudantes brasileiros exige e, cada país tem suas regras específicas. Então, para facilitar o planejamento dos seus estudos no exterior, listamos aqui as peculiaridades dos vistos para alguns dos países mais cobiçados por quem deseja estudar lá fora. 

Confira:

Irlanda:

Ano passado o governo irlandês anunciou mudanças nas leis para estudantes não europeus. A maior delas é a redução do tempo de visto. A duração das aulas continua sendo de 25 semanas (6 meses). Já o período de férias passou de 25 para oito semanas. Durante esse tempo, continua sendo possível trabalhar 40 horas semanais, desde que seja feito entre os meses de maio e agosto e de 15 de dezembro a 15 de janeiro. Apesar da diminuição do tempo de cada visto concedido, o estudante poderá renovar seu visto por duas vezes, permanecendo no país como estudante de inglês por, no máximo, 24 meses.

O primeiro contato com a imigração será no aeroporto de Dublin. De posse da carta da escola, confirmando a matrícula e a acomodação, o oficial da imigração lhe dará um visto provisório, que pode variar entre 30 e 90 dias. Estudantes de cursos de até três meses de duração não precisam de nenhum outro registro. Porém, estudantes que permanecerão na Irlanda por período maior que os três meses precisam se registrar no escritório geral da imigração no país. O estudante tem até um mês para solicitar a mudança do visto para estudante. A duração do seu visto será estendida até a data do término do seu curso.


Austrália:

O motivo da sua viagem é o que determina o tipo de visto australiano que você terá. Caso pretenda fazer um curso com duração de até 12 semanas, é possível solicitar o visto de visitante. Já quem pretende estudar por um período mais longo, deve solicitar o visto de estudo. Este visto será concedido com validade de acordo com a duração do curso, mais um mês de férias após o término dos estudos. O estudante ainda terá a permissão de trabalho de 40 horas por quinzena, desde que as aulas já tenham iniciado.

Ao solicitar o visto de estudo para a Austrália, é necessário preencher corretamente os formulários exigidos, ter a confirmação da matrícula - o COE - Confirmation of Enrolment, documento emitido pela escola após o pagamento do curso. Será preciso ainda ter um seguro saúde, comprovar recursos financeiros para se manter no país, além de comprovar vínculos de retorno ao Brasil. Cursos específicos e universitários requerem proficiência na língua inglesa.


Canadá:

O processo do visto de turista leva até um mês e com ele é possível estudar até 24 semanas. O visto de estudante só é necessário para quem vai ficar no país por mais de seis meses. Em alguns casos, para conquistar o documento é necessário passar por exames e se consultar com um médico indicado pelo próprio consulado do Canadá. Dependendo do programa escolhido, o estudante terá a permissão para trabalhar, ajudando no custeio de sua estadia.

O processo envolve o preenchimento de dois formulários, um de residente temporário e um questionário de informações adicionais. Além de fotos, são exigidas ainda cópia da declaração do imposto de renda, extrato bancário e os últimos três holerites. Em caso de estudantes, é exigida ainda cópia de toda a documentação de quem está pagando a viagem, bem como comprovante de escolaridade. Se for menor de idade, é necessária a autorização de viagem dos pais com firma reconhecida.


EUA:

Para alguns tipos de cursos com carga horária mais intensiva, superior a 18 horas por semana, é preciso o visto de estudante e quem fornece o principal documento são as próprias instituições de ensino. Um deles é o Formulário I-20, enviado até quatro semanas depois da sua matrícula. Após o recebimento desse formulário, você deve se registrar no SEVIS (Sistema de Informações sobre Estudantes e Participantes de Intercâmbio). Com esse registro, você deverá pagar uma taxa de aproximadamente US$ 200. Além desse registro, será preciso preencher outro formulário, o DS-160.

Também é preciso agendar uma entrevista no consulado americano. No dia da entrevista, leve o formulário DS-160, o passaporte, a página de confirmação de preenchimento adequado do formulário da solicitação do visto, o formulário I-20, o recibo de pagamento da taxa SEVIS e duas fotos 5×5 recentes. Seja sincero e sereno para não seu visto não ser recusado.

Cabe destacar que existem alguns tipos diferentes de vistos de estudante nos Estados Unidos. O destinado a programas de intercâmbio educacional ou cultural com mais de 18 horas de estudo por semana é o J-1. 


Nova Zelândia:

O bom desse destino é que para cursos de até três meses não é necessário solicitar o visto antes de embarcar. Ao chegar ao país e apresentar os documentos exigidos, será concedido um visto de turismo. Mas, se você pretende realizar um curso de período integral com duração superior a três meses deve entrar em contato com a imigração. Assim como o Canadá, o país também dá permissão de trabalho para cursos com mais de 12 semanas. Os documentos solicitados são passaporte, uma foto recente, o formulário online para visto devidamente preenchido, bem como o formulário de financial undertaking, assinado pela pessoa que estiver financiando o curso e pelo gerente de seu banco.

É necessário ainda recibo da escola comprovando pagamento integral do curso, garantia de acomodação com endereço onde o aluno vai ficar hospedado, extratos bancários dos seis meses anteriores à aplicação do visto, imposto de renda e holerite, garantia de seguro saúde/viagem e a cópia da passagem aérea (ida e volta). Quem fica por mais de seis meses, precisa ainda de exames médicos


Dubai:

A solicitação do visto para os Emirados Árabes é feita de uma forma bem diferente da que estamos habituados. Com a matrícula é iniciado o processo de permissão de entrada no país e a escola de inglês é quem concede o visto e tem o papel de sponsor ou patrocinador. Segundo o consulado, os patrocinadores ficam responsáveis pelos visitantes. 

Para os vistos de curta permanência é exigido o depósito reembolsável de $ 275. Agora, se a intenção for ficar no país por um ano, o aluno deve adquirir o ID com o tempo do visto. Em Dubai, também é possível trabalhar com o visto de estudante.​

Com essas dicas, certamente ficará mais fácil planejar a sua documentação antes de arrumar as malas. Vale se atentar que, independentemente do país escolhido, não são aceitos passaportes com duração inferior a seis meses. Então, se o seu passaporte vencer nesse prazo, é melhor solicitar um novo antes mesmo de correr atrás do visto. Estando tudo em ordem, procure uma agência de intercâmbio que tem profissionais capacitados para te dar todo o suporte necessário para encarar essa aventura que certamente ficará marcada para sempre em sua vida.



Fonte: Kaique Bonini 

Nenhum comentário:

Postar um comentário