segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Brasil reúne iniciativas estratégicas para combater mudanças climáticas


Aumento da temperatura, elevação do nível do mar, derretimento das calotas polares, aumento da frequência das tempestades, inundações, escassez de água. Fatores que surgem de forma mais frequente e já podem ser percebidos em diferentes partes do planeta são consequências do aquecimento global e das mudanças climáticas. Estudos afirmam que o aumento de temperatura na Terra está sendo causado pela ação do homem. Os maiores riscos concentram-se nas áreas urbanas e a emissão de CO2 tem maior contribuição para o aquecimento global.

Para traçar estratégicas eficientes que contribuam para minimizar os impactos, existe uma mobilização mundial de países que, comprometidos em combater as alterações climáticas, transformaram esse desafio em meta. Em 2015, foi assinado o Acordo de Paris, durante a COP21, onde mais de 194 nações – incluindo o Brasil – assumiram o compromisso de limitar o aumento de temperatura do planeta em 1,5ºC.

Nesse sentido, poder público, iniciativa privada e as comunidades devem trabalhar juntos. É isso que demonstra os dados divulgados pelo relatório do Programa Cities – do CDP, do qual participam cidades de todo o mundo. O objetivo do Programa é engajar governos locais no desenvolvimento de medidas e ações que tragam melhorias ao meio ambiente, por meio de uma plataforma padrão que possibilita identificar, reportar e gerenciar os impactos ambientais.

Ao todo, 533 cidades do mundo reportam dados sobre os impactos das alterações climáticas para o cidadão e economia local, assim como as ações para redução esses impactos. O reporte ao Programa Cities funciona como uma ferramenta estratégica, que permite fazer um diagnóstico e encontrar soluções para os riscos provocados pelos eventos extremos . Essas informações são essenciais para o planejamento estratégico das cidades e governos, e para o direcionamento de investimentos a caminho de uma economia sustentável.

No Brasil, 77 municípios participaram do programa CDP cities, em 2016. Entre as cidades, destacam-se: São Paulo, Curitiba, Campinas, Belo Horizonte, Recife e Rio de Janeiro. “Encorajamos as empresas e investidores a trabalharem com a comunidade local para o desenvolvimento de uma agenda climática comum”, comenta Andreia Banhe, gerente do programa no Brasil.

Rogério Menezes, secretário Municipal do Verde e Desenvolvimento de Campinas e presidente da ANAMMA, ressalta “como presidente da Associação Nacional dos Gestores Municipais de Meio Ambiente-ANAMMA, tive a satisfação de participar das atividades de formação em mudanças climáticas que ocorreram em Campinas. O tempo é de agir com foco nas parcerias entre municípios e empresas, como no caso da Estação de Tanquinho da CPFL, com produção de energia com tecnologia solar fotovoltaica ou da produção de ônibus elétricos fabricados em nossa cidade na planta da BYD chinesa. O futuro exige soluções de ecomobilidade para reduzir as emissões”.

A partir da conscientização e da colaboração de governos, empresas e dos cidadãos, as ações tornam-se cada vez mais efetivas. Investimentos em energias renováveis, reflorestamento, tecnologias de baixo carbono, transportes como baixa emissão de carbono, consumir de forma consciente, reaproveitar e reciclar materiais estão entre as medidas que contribuem para redução dos impactos.

Não só as cidades possuem um papel fundamental na adesão de medidas que valorizam o desenvolvimento sustentável, mas também as pessoas, a comunidade. “Este não é um trabalho realizado apenas por uma parte da sociedade, mas por todos. Para controlar as mudanças climáticas cada um tem uma missão, onde o benefício é mútuo”, finaliza Andreia.

Veja aqui o relatório completoIt takes a city: The case for collaborative climate action

- Sobre o CDP :

O CDP é uma organização internacional sem fins lucrativos que provê um sistema global único para que as empresas e cidades meçam, divulguem, gerenciem e compartilhem informações vitais sobre o meio ambiente. O CDP trabalha com as forças do mercado, incluindo 767 investidores institucionais, para motivar as companhias e as cidades a divulgarem seus impactos no meio ambiente, assim como suas ações para reduzi-los. Atualmente, o CDP possui o maior volume de informações sobre mudanças climáticas e água do planeta e procura colocar estes insights na pauta das decisões estratégicas, dos investidores e das decisões políticas.

Fonte: Junia Sanches




Nenhum comentário:

Postar um comentário