segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Biólogo reforça importância da vacinação como prevenção eficaz e segura à Febre Amarela


Transmitida pela picada de mosquitos dos gêneros Haemagogus ou Sabethes infectados com o vírus, a Febre Amarela, se não tratada rapidamente, pode levar à morte em cerca de uma semana. Por isso, vale ficar atento aos sinais que a doença provoca, que podem ser calafrios, dores nas costas, dores no corpo em geral, náuseas e vômitos, fadiga e fraqueza. Para casos mais graves, os sinais mais frequentes são febre alta, icterícia e hemorragia.

O Biólogo Horácio Teles, membro do CRBio-01 – Conselho Regional de Biologia – 1ª Região (SP, MT e MS), lembra que, apesar de algumas contraindicações, o principal meio de prevenção da doença é a vacina. Recomendada para a população a partir dos quatro meses de vida, uma única dose da vacina já é o suficiente para a proteção contra a doença.

Sobre as suspeitas de que o desastre ambiental causado pela empresa Samarco em Mariana tenha influenciado o surgimento dos casos registrados da doença em Minas, Teles acha pouco provável, “ainda que os impactos ambientais dessa tragédia incluam outros problemas de saúde pública”, diz o Biólogo.

Mas, para ele, a descoberta de macacos afetados pelo vírus nas proximidades das cidades é um importante indicador do risco de reinstalação da febre amarela urbana. “A existência do Aedes aegypti na maioria das cidades brasileiras potencializa os riscos do alastramento da febre amarela”, completa.

Diante dessas circunstâncias, Teles reforça que a medida mais eficiente para o controle da situação é a vacinação da população. “O mais rápido possível, pelo menos nas áreas com o registro de epizootias e onde a circulação do vírus é endêmica”, conclui. Em São Paulo, há registros de casos nas regiões de São José do Rio Preto e de Ribeirão Preto.


Fonte: Marco Berringer

Nenhum comentário:

Postar um comentário