segunda-feira, 13 de março de 2017

Nova Zelândia em 10 passos

     Reserva marinha de Hahei, em Coromandel, na Ilha Norte /Andy Belcher

Muita gente sonha em conhecer as belezas naturais da Nova Zelândia, mas ainda não sabe por onde começar a planejar a viagem. Afinal, não deve ser fácil nem barato chegar ao outro lado do mundo, certo? Errado! O que pouca gente sabe é que a Nova Zelândia está cada vez mais acessível – a começar pela conexão direta via Buenos Aires e Santiago, com voos de 13 horas até lá. A diferença é pouca em relação a voar para a Europa ou mesmo para os Estados Unidos; Los Angeles, por exemplo, está a 12 horas de São Paulo.

Com as dicas abaixo, você vai ter a certeza de que é possível visitar o país em qualquer época do ano, sozinho ou com amigos, e curtir atrações recomendadas para todas as idades. O próximo passo é arrumar as malas!

- Quando ir?

Por estar no hemisfério sul, as estações do ano são as mesmas do Brasil. O verão é a alta temporada e é quando todo mundo aproveita ao máximo para curtir as atividades ao ar livre. Para economizar, vale fugir da alta e aproveitar a primavera e o outono, com temperaturas amenas. O inverno é mais rigoroso e costuma nevar especialmente na Ilha Sul, um pouco mais fria, mas é a época ideal para conhecer suas concorridas pistas de esqui.


- Como chegar? 




Não é preciso cruzar o mundo para chegar na Nova Zelândia. Partindo do Brasil, a Air New Zealand tem voos diretos de 13 horas a partir de Buenos Aires. Quem prefere voar LATAM tem a opção de ir via Santiago, também com voos de 13 horas. Importante: turistas não precisam de visto para visto para visitar a Nova Zelândia.


- Como se deslocar?

A Nova Zelândia é um país muito pequeno. Seu território total tem dimensões próximas ao do estado do Rio Grande do Sul. Por isso, as distâncias são muito curtas; nenhum voo interno dura mais que 2 horas, por exemplo. Outras opções são alugar um carro, van ou motorhome e aproveitar suas belas estradas. Por todo o país há pontos de camping espalhados onde você pode parar o carro e dormir por lá, uma economia e tanto em hospedagem.


- Opções para os jovens e aventureiros! 


Há diversas empresas de ônibus que oferecem passagens bem econômicas por todo o país. A Naked Bus tem tíquetes que incluem paradas nos dez principais destinos turísticos do país por 269 dólares neozelandeses. A Kiwi Experience vende passes de 1 ano que você pode utilizar para ir a qualquer lugar do país, contanto que não repita nenhum trecho, ideal para mochileiros. 

- O que visitar e quantos dias ficar?

O roteirão básico inclui Auckland, a maior cidade da Nova Zelândia, Rotorua, onde é possível ver geiseres, fontes termais e piscinas de lama fervente, e Queenstown, conhecida pelo turismo de aventura. Pode ser percorrido de 7 a 10 dias. Os turistas também costumam incluir visitas ao Hobbiton Movie Set, onde foram gravadas cenas das trilogias O Senhor dos Anéis e O Hobbit, além de Milford Sound, o fiorde mais visitado do país.

- E para fugir do básico?

Inclua uns dias a mais e explore a região de Northland, pertinho de Auckland, onde estão algumas das praias mais bonitas do país. A capital Wellington também merece ser visitada: super descolada, ela é repleta de bons cafés e restaurantes e tem uma vibe parecida com a de São Francisco, na Califórnia.


- Dá para fazer uma viagem barata?

Além de todas as dicas acima, vale ressaltar que o maior apelo da Nova Zelândia são as suas belas paisagens – em Queenstown, por exemplo, não custa nada curtir um belo dia de sol à beira do Lago Wakatipu, um dos cenários mais lindos do país, e visitar os Queenstown Gardens, repleto de lagos e aéreas verdes. Comprar comida em mercados locais, aliás, é outra boa maneira de poupar dinheiro. Vale lembrar que o dólar neozelandes é mais barato que o americano e vale cerca de R$2,50.

- É seguro viajar pela Nova Zelândia?


Sim! A Nova Zelândia é um dos países mais seguros do mundo – ocupa a quarta posição de acordo com o Global Peace Index 2016, estudo anual realizado pelo Instituto de Economia e Paz (IEP). O país também ocupa o nono lugar em relação ao Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), além de ser referência no combate à corrupção.

- Os neozelandeses são receptivos?

Os neozelandes têm uma história que mistura as culturas maori, europeia, asiatica e das ilhas do Pacífico. Por isso, é uma população bem mista. No geral, eles são tranquilos, receptivos e amigáveis, sempre dispostos a ajudar com alguma informação local.




Fonte: Renato Oliveira

Nenhum comentário:

Postar um comentário