quinta-feira, 27 de abril de 2017

Cunha sedia a Festa do Pinhão


Para celebrar o cultivo do pinhão, cidade conta com vários atrativos, com destaque para os pratos preparados por quituteiras da roça e chefs de restaurantes locais, além de apresentações artísticas que vão das rodas de viola à MPB

Caldinho, canjiquinha, farofa, bolos e mais uma dezena de variadas receitas feitas com pinhão poderão ser saboreadas por quem visitar o 17º Pinhão, Viola e Prosa na Praça, até 7 de maio, na Praça da Matriz da Estância Climática de Cunha, cidade do Vale do Paraíba, interior de São Paulo.

A festa, que foi aberta oficialmente no dia 15 de abril, conta com uma programação extensa desde 20 de abril, quando a cidade completou 159 anos. No fim de semana de 28, 29 e 30 de abril e 1º de maio, os visitantes terão a oportunidade de assistir a shows de variados estilos.

Na sexta, Tavinho Lima embala o público com suas canções de MPB. O cantor, compositor e produtor de eventos, começou a carreira artística como percussionista da Banda de Pau e Corda e fez parcerias com renomados artistas, entre eles Jane Duboc, Tetê Espíndola e Oswaldinho do Acordeom. Conquistou mais de 300 premiações em festivais de MPB pelo país e, em 2012, fez a canção tema do personagem Firmino da novela Carrossel, do SBT.


Já no sábado, o palco recebe a dupla cunhense Luís Gustavo e Edilson e o Grupo Madalena, que traz no repertório consagrados sambas antigos e composições próprias, feitas com grande influência de mestres da MPB, mas que demonstram uma linguagem pretensiosamente inovadora, desde a sonorização até a comunicação visual utilizada. O grupo já fez apresentações na TV Cultura, ESPN Brasil, Record News, bem como shows no Sesc e demais casas de espetáculos em diversas cidades.

Para esta edição da Festa do Pinhão, a Secretaria Municipal de Turismo e Cultura da Estância Climática de Cunha espera receber mais de 20 mil turistas. Para mostrar a toda sua hospitalidade a esses visitantes, além dos shows, a cidade criou uma praça de alimentação para o evento, onde diversas barracas oferecem iguarias com pinhão especialmente preparadas por cozinheiras e quituteiras da roça, incluindo pratos doces e salgados, para todos os gostos.



Os restaurantes da cidade, conduzidos por chefs de nível internacional, também participam do evento e servem receitas criativas à base de pinhão. A cada ano eles oferecem um cardápio diferente e é possível provar, por exemplo, truta com diversos molhos de pinhão, cordeiro e leitoa com farofa ou molhos especiais de pinhão, tutu com farinha de pinhão e muitas outras criações inovadoras, além dos tradicionais pinhões cozidos e assados.


- A cultura do Pinhão:

Paralelamente à festa, o Parque Estadual da Serra do Mar promove a 9ª Exposição Pinheiro Brasileiro, do dia 15 de abril ao dia 31 de julho. Com a ajuda de monitores, os visitantes vão conhecer melhor como é desenvolvimento do pinheiro e do seu fruto, o pinhão, uma verdadeira aula sobre o assunto. A exposição também reúne peças do artesanato local produzidas com a pinha e obras que usam o pinhão como inspiração.


O Pinheiro Brasileiro, conhecido cientificamente por araucaria angustifolia, é uma da espécie muito antiga da flora brasileira. O amadurecimento do pinhão acontece entre os meses de março e abril e sua comercialização só é permitida a partir do dia 15 de abril de cada ano. Essa data foi estabelecida em função da necessidade de preservação da espécie e também com a finalidade de garantir a alimentação da fauna silvestre existente nas regiões que apresentam incidência desse tipo de floresta nativa.

Em Cunha, a colheita do pinhão acontece há muitos anos e representa um significativo incremento para a economia local e, especialmente, para a geração de renda extra para os produtores rurais.

- Sobre a cidade: 

Rodeada por montanhas que abrigam lindas cachoeiras e nascentes, a Estância Turística de Cunha é a cidade que conserva a maior reserva de Mata Atlântica em todo o Brasil, a qual está em duas áreas de proteção, o Parque Estadual da Serra do Mar – Núcleo Cunha e o Parque Nacional da Serra da Bocaina.


Com 23 mil habitantes, a cidade já foi rota dos tropeiros que percorriam a Estrada Real, levando o ouro de Minas Gerais até o porto de Paraty e de lá para o Rio de Janeiro e Portugal. Hoje, sua economia está dividida entre a pecuária e as produções do tradicional pinhão, bem como de queijos, mel, cogumelos shitake, cordeiro e truta. 


Além da cerâmica de alta temperatura, que credencia a cidade como sendo um dos maiores polos cerâmicos da América Latina, em especial no que se refere à técnica de queima que usa os fornos noborigama. Outros ceramistas, que utilizam técnicas diferentes, também vieram para a cidade atraídos pela sua importância e representatividade, dentro do segmento cerâmico artístico e funcional.


Quem visitar a cidade pode fazer passeios de turismo rural ou de ecoturismo (trilhas), conhecer florestas de pinhão e uma representativa reserva de Mata Atlântica, cultivos de cogumelo shitake e truta, fazer visita a apiários, de fabricação de queijos, bem como pesqueiros. Entre os destaques para se conhecer em Cunha estão o Pico da Pedra da Macela (1.840 m de altitude, que, em dias de céu limpo, possibilita avistar o litoral, de Angra dos Reis a Paraty), o Parque Estadual da Serra do Mar (com suas várias trilhas) e as diversas cachoeiras da cidade, dentre elas a do Pimenta e a do Desterro.
                            

Para receber os turistas interessados em conhecer seus sabores e belezas naturais, Cunha conta com mais de 60 pousadas de variados níveis de acomodações e com diversificados restaurantes, que oferecem pratos com os ingredientes típicos da região e também a tradicional cozinha brasileira e até internacional.


- Serviço: 

17º Pinhão, Viola e Prosa na Praça

Programação dos dias 28, 29 e 30 de abril e 1º de maio

Local: Praça da Matriz de Cunha

28/4 – sexta-feira
22 horas – Tavinho Lima

29/4 – sábado
16 horas – Luís Gustavo e Edilson
22 horas – Grupo Madalena

30/4 – domingo
15 horas – Esquadrilha do Samba
21h30 – Douglas e Vinícios

1º/5 – segunda-feira
15 horas Roda de Viola – Violeiros de Cunha


Fonte: Angela Lereno

Nenhum comentário:

Postar um comentário